PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Estudo aponta que Ceará tem mais de 18 mil casos subnotificados

A estimativa colocaria o Estado como o quinto mais atingido pela doença no País

Lais Oliveira
13:15 | 14/04/2020
Gráfico mostra subnotificações nos estados
Gráfico mostra subnotificações nos estados (Foto: Divulgação)


Uma estimativa divulgada nessa segunda-feira,13, projeta que o Ceará tem mais de 18 mil casos subnotificados de Covid-19. O dado foi calculado por cientistas e estudantes da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade de Brasília (UnB), entre outros centros de pesquisa do país, e publicado no portal Covid-19 Brasil. Até o último sábado, 11, o estudo considera que o Estado tinha 18.857 casos ainda fora das estatísticas. Nesse dia, as informações oficiais confirmavam 1.668 pessoas infectadas.


Somando o número oficial de casos notificados até aquele momento e a estimativa divulgada pela pesquisa, o Ceará contabilizaria 20.439 confirmações da Covid-19. Assim, o Estado seria o quinto mais atingido pela doença no País. São Paulo ainda estaria na liderança das contaminações, segundo a projeção, com 125.974 casos, sendo 117.555 ainda subnotificados.


Ainda de acordo com o estudo, a discrepância entre os dados notificados e os subnotificados no Estado estaria em torno de 1291,97%. Segundo atualização mais recente da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa) desta terça-feira, 14, já são 1.975 casos confirmados da doença no Ceará. Além disso, foram registrados 103 óbitos no Estado causados por Covid-19. A taxa de letalidade está em 5,22%.


A pesquisa brasileira também estimou que o número de infectados por coronavírus pode ser quinze vezes maior no Brasil. O dado colocaria o País como o segundo no ranking das confirmações, atrás apenas dos Estados Unidos.

Metodologia aplicada na pesquisa


Para calcular a projeção dos casos subnotificados no Brasil, os pesquisadores se basearam em uma fórmula que considera uma série de fatores. Entre eles estão os dias de atraso entre a confirmação de casos e notificação de óbitos no País e a taxa de letalidade atual da Coréia do Sul.

Isso porque a Coréia do Sul é um dos poucos países que têm conseguido realizar testes em massa, o que sugere que sua taxa de mortalidade seja mais fidedigna em relação a outros locais do mundo. Outro fator importante levado em conta para o cálculo é a variação da pirâmide etária entre os países.

De acordo com as premissas da pesquisa, no Brasil, a realização dos testes para a Covid-19 já se dá em processo de agravamento do quadro dos pacientes. Por isso, o estudo considera um atraso de 10 dias entre a confirmação dos casos e a notificação do óbito.

Além disso, para a análise, os pesquisadores também supõem que a probabilidade de que a infecção seja igual em todas as faixas etárias da população. Isto é, a chance de uma pessoa de 80 anos se infectar é a mesma de uma pessoa de 30 anos.


Confira as estimativas para os cinco estados brasileiros que estariam com mais casos confirmados, considerando as subnotificações apresentadas pelo estudo:


São Paulo
Casos totais estimados: 125.974
Variação: 1496,31%


Amazonas
Casos totais estimados: 39.329
Variação: 3745,62%


Rio de Janeiro
Casos totais estimados: 37.216
Variação: 1427,54%


Pernambuco
Casos totais estimados: 30.449
Variação: 731,50%


Ceará
Casos totais estimados: 20.439
Variação: 1291,97%

Foto: Ainda de acordo com o estudo, a discrepância entre os dados notificados e os subnotificados no Estado estaria em torno de 1291,97%. (Reprodução/Portal Covid-19 Brasil)