PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Antes de cumprimento, Ronaldo Caiado dá álcool em gel para Bolsonaro em Goiás

"Sem nos descuidarmos da prevenção", escreveu o governador de Goiás em rede social sobre visita de presidente

18:31 | 11/04/2020
Governador Ronaldo Caiado (DEM-GO) passa álcool em gel nas mãos de Jair Bolsonaro (sem partido)
Governador Ronaldo Caiado (DEM-GO) passa álcool em gel nas mãos de Jair Bolsonaro (sem partido) (Foto: Júnior Guimarães/Divulgação Governo de Goiás)

Depois de Jair Bolsonaro (sem partido) limpar o nariz com o braço e cumprimentar uma apoiadora idosa, o governador Ronaldo Caiado (DEM-GO) evitou que o aperto de mãos com o presidente acontecesse sem higienização. De acordo com informações do Portal UOL, durante evento em Águas Lindas de Goiás (GO), Caiado sacou um tubo de álcool em gel, passou nas mãos e deu ao presidente, cumprimentando-o apenas em seguida.

Segundo um assessor que presenciou a cena, o episódio ocorreu quando Bolsonaro foi apertar a mão do governador de Goiás, logo na chegada às obras de um hospital de campanha que é custeado pelo governo federal. "Sem nos descuidarmos da prevenção. Goiás agradece pelo carinho recebido, presidente", publicou Caiado em seu Twitter sobre visita de presidente.

Caiado é médico e adota medidas para restringir a circulação de pessoas nas ruas. Ex-aliado de Bolsonaro, Caiado anunciou rompimento com o presidente após pronunciamento em rede nacional no mês passado em que o líder da República incentivava a população a deixar o confinamento.

Leia também | Mandetta: pessoas que descumprem isolamento serão as mesmas que vão se lamentar

Veja publicação de Ronaldo Caiado sobre visita do presidente Jair Bolsonaro:

Presidente desrespeita medidas de isolamento social

Desde o início da pandemia Bolsonaro descumpre as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde para ficar em isolamento e usar máscara.

No evento deste sábado, Bolsonaro foi conversar com moradores que estavam aglomerados e tirou a máscara ao se aproximar das pessoas. Durante o evento, o ministro da Saúde, Luis Henrique Mandetta, anunciou que Manaus (AM) receberá a segunda unidade de hospital de campanha.

O estado da região Norte do País está com dificuldades de enfrentar o Covid-19 e, segundo relatos, há colapso no sistema de saúde. O ministro evitou comentar a atitude de Bolsonaro em meio à multidão. "Eu posso no máximo recomendar, não posso apontar o dedo. Eu não julgo ninguém, não sou juiz", disse. 

Hospital em Goiás terá 200 leitos

A visita durou cerca de 45 minutos. A unidade que está em construção em uma área de 10 mil metros quadrados, terá 200 leitos de semi UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para atender pacientes infectados por Covid-19 de Goiás e do Distrito Federal.

O presidente estava acompanhado do líder do governo na Câmara, Vitor Hugo (PSL-GO), dos ministros Braga Netto (Casa Civil), Tarcísio de Freitas (Infraestrutura), e do filho e vereador no Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), que não exerce cargo no governo. Bolsonaro e a comitiva voltaram para Brasília em um helicóptero oficial sem falar com a imprensa. Mandetta não acompanhou o voo.