PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Estudo mostra que poluição pode ser fator agravante para mortalidade na Itália por Covid-19

Segundo pesquisa, alta taxa de óbitos de pacientes graves infectados pelo Sars-CoV-2 em duas regiões italianas coincide com a má quantidade do ar do norte do país. Informações são da Revista Galileu

10:59 | 08/04/2020
Pesquisa mostra a relação entre poluição e Covid-19 (Foto: CLAUDIO REYES / AFP)
Pesquisa mostra a relação entre poluição e Covid-19 (Foto: CLAUDIO REYES / AFP)

Um estudo realizado pelas Universidades de Aarhus, na Dinamarca, e de Siena, na Itália, observou que pode existir uma ligação entre a alta taxa de mortalidade causada pela Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, no norte italiano e o nível de poluição do ar da região. As informações são da Revista Galileu.

Em artigo publicado na revista científica Environmental Pollution, é mostrado como a contaminação atmosférica pode estar relacionada com a mortalidade na Lombardia e na Emília-Romanha, regiões mais afetadas pela Covid-19 no norte da Italia.

O pesquisador Dario Caro, do Departamento de Ciência Ambiental da universidade dinamarquesa, e os estudiosos da área de saúde Bruno Frediani e Edoardo Conticini, da Itália, examinaram por que a taxa de mortalidade do norte do País é de até 12%, enquanto a do restante do território italiano é de apenas 4,5%.

A população das regiões do norte da Itália vive em um nível bem alto de poluição do ar, e isso pode levar a uma série de complicações para pacientes com Covid-19. Isso porque eles já estavam enfraquecidos graças a exposição acumulada ao ar poluído quando contraíram a doença.

O artigo publicado no último sábado, 4, coletou dados recentes do satélite Aura da NASA, que apresentou níveis muito altos de poluição do ar nas duas regiões italianas. O grupo comparou os dados com o Índice de Qualidade do Ar; uma medição desenvolvida pela Agência Ambiental Europeia. O índice reúne dados de milhares de estações de medição em toda a Europa.

"Existem vários fatores que afetam o curso da doença nos pacientes e, em todo o mundo, estamos encontrando links e explicações sobre o que é relevante. No momento, todo conhecimento novo é valioso para a ciência e as autoridades", afirma Caro.

O pesquisador também ressalta que há outros fatores para compreender as taxas de mortalidade, como, por exemplo, o maior número de idosos, as diferenças entre os sistemas de saúde regionais, a capacidade das UTIs e a forma como ocorreu a infecção.