PUBLICIDADE
Coronavírus
Noticia

Europa supera 40 mil mortos por coronavírus e EUA bate recorde de mortes diárias

Mais de dois terços dos óbitos no continente europeu foram em Itália, Espanha e França. Já nos Estados Unidos foram 1.169 mortes em 24 horas

20:23 | 03/04/2020
Italia em 20 de março de 2020, Um homem toca o caixão de sua mãe durante um funeral no cemitério fechado de Seriate, perto de Bergamo, Lombardia, durante o bloqueio do país com o objetivo de impedir a propagação da pandemia de Covid-19 (Foto: Piero Cruciatti / AFP)
Italia em 20 de março de 2020, Um homem toca o caixão de sua mãe durante um funeral no cemitério fechado de Seriate, perto de Bergamo, Lombardia, durante o bloqueio do país com o objetivo de impedir a propagação da pandemia de Covid-19 (Foto: Piero Cruciatti / AFP)

O coronavírus já matou mais de 40 mil pessoas na Europa, mais de dois terços na Itália, Espanha e França. O Reino Unido bateu seu próprio recorde de mortes diárias, assim como os Estados Unidos, que atingem quase 1.200 óbitos em 24 horas, número que nenhum país havia alcançado.

Nos Estados Unidos, onde ainda existem governadores que não decretaram medidas de confinamento, a tensão aumenta. Além das 1.169 mortes registradas em um dia e das quase 250 mil confirmações de infecção, Washington tem outro desafio que pode causar uma depressão econômica: o desemprego.

Em duas semanas, quase dez milhões de americanos solicitaram seguro-desemprego, e, nesta sexta-feira, foi relatado que a taxa oficial subiu de 3,5% para 4,4% em um mês, de fevereiro a março.

A Espanha, o segundo país, depois da Itália em número de mortos, voltou a exceder 900 mortos na sexta-feira, como havia acontecido no dia anterior, e já está perto de 11.000 óbitos. No entanto, autoridades de saúde espanholas insistem em que as hospitalizações e contágios continuam baixando.

Na Alemanha, as medidas de restrição também começam a surtir efeito, segundo o governo. Os números dão "esperança", mas ainda é "muito cedo" para suavizar as medidas, disse a chanceler Angela Merkel.

Se o coronavírus testa o sistema federativo nos Estados Unidos, na União Europeia desafia a solidariedade entre países.

O ministro das Finanças alemão, Olaf Scholz, disse nesta sexta-feira que a União Europeia deve ativar o fundo de resgate do Mecanismo Europeu de Estabilidade para apoiar os Estados cujas economias são mais afetadas pela crise do coronavírus. Espanha e Itália pressionam pela emissão de dívida europeia, os chamados "coronabonos", que a Alemanha e a Holanda rejeitam.

Na Grã-Bretanha, outras 684 mortes foram registradas, superando seu próprio recorde de mortes diárias, enquanto o governo conclui a construção de um gigantesco hospital de campanha com 4 mil leitos.

O primeiro-ministro Boris Johnson, que deu positivo, permanecerá convalescente por mais uma semana, embora esteja no comando de seu gabinete. A rainha Elizabeth, 93 anos, abordará a nação no domingo, pela quarta vez em seu reinado de 68 anos.

Escassez de material e segurança

Diante da pandemia, os países organizam e enfrentam, da melhor maneira possível, a escassez de material e as exigências de segurança não apenas das equipes de saúde, mas também de outros setores econômicos que devem continuar funcionando. A concorrência desencadeada por essa situação é implacável.

"Os mercados de suprimento de coronavírus estão entrando em colapso", disse o professor Christopher R. Yukins, da Universidade de Washington, em uma videoconferência.

Os compradores não são apenas governos, mas regiões, empresas, até legisladores que vão a fábricas, pontos de distribuição, dispostos a levar máscaras, equipamentos médicos, o que for, pagando em dinheiro e pelo preço que pedem.

"Nossos cônsules que vão às fábricas chinesas encontraram colegas de outros países que queriam passar por cima dos nossos pedidos. Eles tinham mais dinheiro. Cada remessa é uma briga", explicou o deputado ucraniano Andrii Motovylovet, via Facebook.

O presidente dos EUA, Donald Trump, e o francês Emmanuel Macron pediram "maior cooperação" dentro da Organização das Nações Unidas (ONU).

Entre a guerra e a Covid-19

Paradoxalmente, o coronavírus reduziu os confrontos em cenas de guerra como a Síria ou o Iêmen.

Nesses países, agora por causa do coronavírus, "o pior ainda está por vir", alertou o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres.

Na Líbia, um país devastado pela guerra civil, a primeira morte foi registrada pela Covid-19. Também foi registrado um caso em Beni, onde surgiu a epidemia de ebola, na República Democrática do Congo.

 

Acesse a cobertura completa do Coronavírus >

 

 

O coronavírus confinou metade da humanidade e os contágios já excederam um milhão de casos. Por trás disso, há o exército invisível daqueles que não apresentam sintomas, mas que podem espalhar a doença.

A pandemia desencadeia testemunhos comoventes.

Na Espanha, onde na sexta-feira as 900 mortes por dia de coronavírus foram excedidas e o saldo total é próximo de 11.000, uma mãe infectada deu à luz e ainda não foi capaz de tocar seu bebê sem luvas, do qual ficou fisicamente separada por dez dias.

"Ele agarra seu dedo, coitado, e ele agarra o plástico. Mas é um dia a menos, tem que pensar assim para não ficar deprimido", descreve Vanesa Muro.

Na cidade equatoriana de Guayaquil, a saturação dos serviços funerários fez com que os mortos fossem transportados pelas próprias famílias em carros particulares ou ficassem por horas em casa.

Mas na luta diária há vislumbres de esperança.

Os cientistas experimentam coquetéis de drogas, fazem testes em larga escala.

Diana Berrent, de Nova York, doou seu plasma, que contém anticorpos valiosos. "Podemos ser os que correm em direção ao fogo, usando o uniforme de proteção que nosso corpo criou. É uma ocasião incrível", explica essa mulher de 45 anos.

A China, onde surgiu o surto, fará três minutos de silêncio no sábado em uma homenagem àqueles que perderam a vida por essa pandemia.

Na cidade de Wuhan, a drástica quarentena começou a ser suspensa: a circulação recomeça e as lojas gradualmente abrem suas portas.

Em Buenos Aires, os idosos ficaram em longas filas diante dos bancos, no primeiro dia de atenção pública exclusiva desde que o isolamento social obrigatório do novo coronavírus foi decretado em 20 de março.

burs-jz/af/cc