PUBLICIDADE
Coronavírus
Noticia

Morre de Covid-19 médico que orientou cirurgia de separação de crianças siamesas cearenses

Profissional ganhou notabilidade no Brasil em 2018, ao orientar a cirurgia de separação das irmãs Ysablle e Ysadora, iamesas que nasceram unidas pela cabeça

14:50 | 30/03/2020
James T. Goodrich ganhou notabilidade no Brasil em 2018, quando orientou a cirurgia de separação das irmãs cearenses Ysablle e Ysadora, siamesas que nasceram unidas pela cabeça (Foto: Divulgação)
James T. Goodrich ganhou notabilidade no Brasil em 2018, quando orientou a cirurgia de separação das irmãs cearenses Ysablle e Ysadora, siamesas que nasceram unidas pela cabeça (Foto: Divulgação)

O neurocirurgião norte-americano James T. Goodrich morreu nesta segunda-feira, 30, em decorrência da Covid-19. O médico ganhou notabilidade no Brasil em 2018, quando orientou a cirurgia de separação das irmãs cearenses Ysablle e Ysadora, siamesas que nasceram unidas pela cabeça.

De acordo com a jornalista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, Goodrich estava internado há sete dias, sofrendo nesta segunda complicações pulmonares em decorrência do novo coronavírus que o levaram ao óbito.

Goodrich foi quem orientou os procedimentos cirúrgicos de Ysablle e Ysadora, que nasceram siamesas craniópagas, isto é, ligadas pelo topo do crânio. Com cérebros independentes, as crianças, naturais de Patacas, em Aquiraz, dividiam a principal estrutura que recolhe o sangue cerebral.

Leia também | Gêmeas unidas pelo crânio passam por segunda cirurgia

Confira entrevista: A emoção do médico

Levadas para o Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto, em São Paulo, as meninas passaram por sucessivas cirurgias em 2018, quando venceram tanto os procedimentos de separação física quanto o de reconstrução do crânio. Esse último durou cerca de 20 horas e envolveu 30 profissionais. Naquele momento, o caso era realizado de maneira inédita no Brasil.

Entre os profissionais que participaram desse momento, o neurocirurgião brasileiro Hélio Machado lamentou a perda do médico norte-americano. "Goodrich definiu a técnica, sistematizou e possibilitou que as crianças, separadas, sobrevivessem”, disse ele à Folha.

Médico cearense que articulou a operação das gêmeas de Aquiraz, o neurocirurgião Eduardo Jucá, do Hospital Infantil Albert Sabin, se manifestou sobre a morte do colega. "Fica uma imensa gratidão por ter podido conhecer e ter como amigo este ser humano tão especial. Celebraremos para sempre a oportunidade de termos tido James Goodrich entre nós".

A equipe médica de Ribeirão Preto está produzindo um livro sobre a cirurgia. A obra será dedicada a Goodrich.

Acesse a cobertura completa do Coronavírus >