PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Coronavírus: universidades no Ceará avaliam prorrogar suspensão de aulas presenciais

A Uece deve definir novas medidas nesta sexta-feira, 27. Já o IFCE, irá deliberar a decisão na próxima semana

Matheus Facundo
20:42 | 26/03/2020
Fachada da Uece, em Fortaleza (Foto: DIVULGAÇÃO/UECE)
Fachada da Uece, em Fortaleza (Foto: DIVULGAÇÃO/UECE)

Corrigida às 10h48min

 

Diante do avanço do novo coronavírus no Ceará, onde já morreram três e outras 235 estão com a doença, universidades ainda deliberam sobre a suspensão por tempo indeterminado das aulas, como já fizeram a Universidade Federal do Cariri (UFCA) e a Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab). A Universidade Estadual do Ceará (Uece) e o Instituto Federal do Ceará (IFCE) ainda não deliberaram novas medidas.

Por meio de nota, IFCE informou que as atividades acadêmicas presenciais estão suspensas até o dia 3 de abril. A determinação, no entanto, "será reavaliada pelo Comitê de Enfrentamento ao Covid-19 no IFCE na próxima semana, a partir da análise da conjuntura de expansão da pandemia no Ceará, bem como das recomendações emanadas pelos ministérios da Educação e da Saúde e pelo Governo do Estado".

Segundo a assessoria de comunicação da Uece, a determinação, que suspende as atividades até o dia 31 de março, em consonância ao decreto do Governo do Estado, pode ser mudada nesta sexta-feira, 27. Uma reunião com o Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus no Ceará, do qual a universidade participa, pode terminar com novas decisões de prorrogação das restrição de atividades.

A Universidade Federal do Ceará (UFC) também segue recomendação do Governo. Em nota, a instituição afirmou que deve anunciar novas medidas para o enfrentamento da Covid-19 nos próximos dias.

Na UFCA, a suspensão do calendário acadêmico se deu, na última terça-feira, 24, pensando em pontos como a necessidade de aulas presenciais para alunos com deficiências visuais e auditivas, além das dificuldades para acesso à internet na região, resultaram na adoção da medida, como forma de evitar que ensino "seja comprometido" ao substituir aulas presenciais por aulas de Educação a Distância (EaD) ou por atividades remotas.

A Unilab foi a segunda a anunciar a nova deliberação, nessa última quarta-feira, 25. Por meio de ato normativo, a instituição propôs também uma proposta de reposição do calendário, ainda a ser deliberada pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe). Setores administrativos da universidade atuarão de forma remota, havendo também revezamento presencial.