PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Equipamento da UFC cedido ao Governo Estadual irá dobrar a capacidade de diagnósticos da Covid-19

A depender da quantidade de amostras e profissionais utilizando o equipamento, resultados das análises podem sair em um dia

11:22 | 23/03/2020
Testes comprovam a Covid-19 (Foto: Divulgação/Josué Damacena (IOC/Fiocruz))
Testes comprovam a Covid-19 (Foto: Divulgação/Josué Damacena (IOC/Fiocruz))

No último sábado, 21, a Universidade Federal do Ceará (UFC) disponibilizou ao Governo do Ceará um equipamento para auxiliar o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) no diagnóstico da Covid-19. O PCR em tempo real é um aparelho que identifica o material genético do vírus e irá dobrar a capacidade de realizar diagnósticos do novo coronavírus.

Leia também | UFC disponibiliza equipamento para diagnóstico de Covid-19

Os resultados das análises podem demorar até 24 horas para serem concluídos, a depender da quantidade de amostras e pesquisadores trabalhando com o equipamento. Quem explica é o diretor geral do Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos (NPDM) da UFC, Odorico Morais, em entrevista à rádio O POVO/CBN.

Ele afirma que a tentativa dos cientistas é encontrar algum medicamento ou vacina eficaz contra o Sars-Cov-2. A resposta, no entanto, não será encontrada de um dia para o outro. Segundo o professor, as pesquisas têm sido feitas desde as notificações mais urgentes do Covid-19 na China, ainda em dezembro de 2019.

Leia também | Médico diz que uso da hidroxicloroquina só é indicado para pacientes com sintomas graves

Medicamentos

Sobre o uso da hidroxicloroquina e cloroquina, Odorico ressaltou que as experiências com os compostos para tratamento do novo coronavírus não seguiram todo o rigor da pesquisa científica. O que ocorreu foi que pesquisadores franceses relacionaram a eficiência dos medicamentos para tratamento da gripe espanhola no século XX e decidiram testar para Covid-19. Apesar da resposta positiva, os compostos estão sendo utilizados apenas experimentalmente.

O professor lamenta que mensagens de um grupo de médicos infectologistas tenham sido vazadas e movido pessoas com casos leves ou apenas suspeitas da doença a correrem para farmácias e zerarem os estoques dos ativos em estabelecimentos em Fortaleza.