PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Coronavírus: supermercados de Fortaleza garantem abastecimento de produtos

Controlar entregas a domicílio ainda é ‘gargalo’. O POVO verificou nesta segunda-feira, 23, o fluxo de atendimento aos clientes nas principais redes de supermercado da capital cearense

Bruno Balacó
21:36 | 23/03/2020

Pelo menos por enquanto, o consumidor que for aos supermercados de Fortaleza ainda não precisa se preocupar se vai encontrar prateleiras e gôndolas vazias ao fazer suas compras. De acordo com a Associação Cearense de Supermercados (Acesu), o segmento tem reagido bem diante dos impactos causados pelo avanço do coronavírus no País. Após um quadro de superlotação em muitos mercadinhos até o último fim de semana, o movimento voltou ao normal entre domingo e segunda-feira, com reposição nos estoques, afastando o risco de desabastecimento em gêneros alimentícios e produtos de primeira necessidade, conforme O POVO verificou nesta segunda-feira, 23, ao acompanhar o fluxo de atendimento aos clientes nas principais redes de supermercado da capital cearense.

“Apesar de o movimento ter sido mais que o dobro na semana passada, tivemos uma reposição muito acentuada e um trabalho muito efetivo dos fornecedores no repasse das mercadorias. Não houve falta de nenhum produto. A única exceção, em virtude do período de quarentena, é o álcool em gel. Para se ter uma ideia, a venda nas últimas duas semanas não dá o que saiu desse produto nos últimos três anos”, afirmou Severino Ramalho Neto, diretor-presidente dos Mercadinhos São Luiz e que é também membro da Acesu.

Por outro lado, lidar com o aumento expressivo nas solicitações de entrega em domicílio tem um sido um gargalo para os supermercados, conforme o depoimento de todos os representantes do segmento ouvidos pela reportagem. Mesmo as redes que trabalham com aplicativo e atendimento delivery encontram sérias dificuldades em dar conta da demanda.

“O que vimos nos últimos dias foi que a procura por esse tipo de serviço aumentou demais. O delay, entre o pedido e a entrega, tá quase de uma semana. Não podemos prestar um desserviço. Se for para o cliente pedir, pagar e não receber de forma rápida, a gente prefere nem vender”, ponderou Alexandre Pinheiro, diretor comercial e de marketing da rede Pinheiro Supermercado. “Ninguém que está fazendo entrega a domicílio tá conseguindo dar conta da demanda”, reforça Severino Ramalho Neto.

Outro ponto que também preocupa o segmento é quanto às questões de higiene, tanto de clientes quanto de funcionários das lojas. Por isso, os supermercados estão reforçando as medidas de prevenção. Na Carrefour, por exemplo, O POVO verificou a disponibilidade de álcool gel e papel toalha na entrada do supermercado, os colaboradores da frente de caixa com seu próprio frasco de álcool gel, o reforço de higiene nas esteiras e equipamentos, além de uma proteção de acrílico entre colaborador e cliente, no balcão de atendimento. A mesma postura foi notada nos outros grandes supermercados.

Outra frente de atuação das empresas do ramo é quanto ao atendimento de clientes que integram o grupo de risco de contágio do coronavírus. Desde o último dia 18 de março, o Pão de Açúcar conta com um horário de atendimento exclusivo para clientes com mais de 60 anos, que ocorre das 6h as 7h, durante todos os dias da semana. Já o Extra informou que os pedidos de compra clientes em grupos de risco, como idosos, ou pessoas com mobilidade reduzida, terão prioridade na entrega.

No giro pelos supermercados, a reportagem presenciou que diversas pessoas realizavam suas compras utilizando máscaras. Algumas até com luvas. Depois de ficar sem sair de casa por dois dias, o autônomo Paulo Souza foi às compras nesta segunda. Ele, que mora com esposa, filha pequena e o sogro, reforçou a importância do consumo consciente. "Tô comprando só o suficiente. Se eu comprar muito e acabar estocando muito insumo e muito alimento, principalmente frutas, que vão estragar, eu não vou deixar para quem precisa comprar. Não acho correto você ficar estocando alimentos, porque se não vai faltar para outras pessoas”, comentou.

Acesse a cobertura completa do Coronavírus >