PUBLICIDADE

A tática mata o centroavante

02:00 | 11/04/2019

Tenho acompanhado com interesse a movimentação dos centroavantes no sistema tático 4-2-3-1. A primeira coisa que salta aos meus olhos é a solidão do pretenso artilheiro. Conforme está previsto na configuração acima, o 1 do sistema é o centroavante.

E a solidão vai aumentando caso sua equipe faça um gol. Ela se retrai e passa a jogar no contra-ataque, e, diante dessa movimentação tática, cabe ao centroavante um número variado de funções que o afastam do objetivo principal que os torcedores acreditam ser.

Portanto, além de fazer gols, ele tem responsabilidades nas bolas paradas provenientes de faltas ou escanteios que são levantadas sobre sua área penal. É só prestar atenção, caro leitor, e verá seu centroavante afastando as bolas pelo alto de cabeça.

Outra de suas funções determina participação na retomada da bola, que deve ser um esforço de toda a equipe e, dependendo da estratégia a ser utilizada, obriga o centroavante a acompanhar os avanços dos zagueiros adversários que se projetam com a bola dominada.

Penso que sejam muitas funções para quem tem a obrigação de decidir partidas. Ontem mesmo li nos jornais e ouvi de comentaristas que o Wellington Paulista do Fortaleza já jogou oito vezes e não fez nenhum gol. O Roger do Ceará é criticado diariamente.

O Ricardo Bueno, que atravessa bom momento no Ceará, comeu o pão que o diabo amassou. Entrava em campo ou substituía alguém e tome vaia. No momento está em alta, mas passou mais de um ano sendo considerado um peso morto no time alvinegro.

É contraditório porque essa cobrança é uma herança que vem do futebol de antigamente, onde o centroavante tinha a obrigação de ser o artilheiro da equipe. A criatividade cearense criou o termo garapeiro. O centroavante ficava na garapa esperando botar a bola para dentro.

Ceará e Fortaleza são questionados em relação à contratação de centroavante. O torcedor deve se acostumar com os que têm. São jogadores experientes e serão aproveitados dentro do conjunto. Fazer os gols hoje em dia é uma tarefa de toda a equipe.