PUBLICIDADE

Quem são os 9 condenados pela Lava Jato que pediram soltura além de Lula

19:36 | 08/11/2019

Após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que considera inconstitucional realizar prisão após condenação em segunda instância, vários condenados pela Lava Jato já entraram com pedido de soltura. Além de Lula, nove presos já realizaram o pedido, dentre elas políticos, ex-executivos de empreiteiras e ex-dirigentes da Petrobras.

Já pediram soltura José Dirceu, Luiz Eduardo de Oliveira e Silva, Gerson Almada, Renato Duque, João Vaccari Neto, Sérgio Cunha Mendes, Alberto Elísio Vilaça, Fernando Moura e Eduardo Azeredo. Saiba quem são eles e pelo que foram condenados:

José Dirceu (PT)

José Dirceu era ministro da Casa Civil até então, quando foi condenado a pagar 30 anos, 9 meses e 10 dias por corrupção e lavagem de dinheiro. Ele foi preso pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por corrupção ativa.

Dirceu se entregou em 2013 e novamente em 2015, quando foi condenado mais uma vez, agora por recebimento de propina pela sua empresa JD Consultoria e Assessoria Ltda. Entre os anos de 2006 e 2013 o grupo recebeu 39 milhões de reais.

Luiz Eduardo de Oliveira e Silva 

Irmão de Dirceu, ele foi condenado em fevereiro de 2018 a 10 anos, 6 meses e 23 dias de pena, por lavagem de dinheiro e organização criminosa. Ele era sócio da JD Consultoria, a qual fundou com o seu irmão José Dirceu. A empresa foi fechada após investigações da Lava Jato.

Eduardo Azeredo (PSDB)

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) já concedeu alvará de soltura a ele. Azeredo é ex-governador do estado e estava preso desde 23 de maio de 2018 em Belo Horizonte. O político foi condenado a 20 anos de pena por peculato e lavagem de dinheiro.

Gerson Almada

Gerson é ex-executivo da empreiteira Engevix, a qual ocupava o cargo de vice-presidente da empresa. Ele foi condenado a 34 anos e 20 dias por corrupção ativa e lavagem de dinheiro. Gerson Almada foi preso em 14 novembro de 2014, na sétima fase da Operação Lava Jato.

Renato Duque

Renato Duque é ex-diretor de serviços da Petrobras, sendo indicado ao cargo em 2003. Ele foi preso em 2015 por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, sendo condenado a 20 anos e 8 meses de pena. Ao todo suas condenações somam 123 anos e 11 meses.

João Vaccari Neto

João Vaccari Neto é ex-tesoureiro do PT e atualmente está em regime semiaberto. Ele foi condenado em abril de 2015 a cumprir pena de 15 anos e 4 meses de reclusão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Agora, para pedir soltura, a defesa de Vaccari alega que “não há outra fundamentação’”.

Sérgio Cunha Mendes

Sérgio Cunha Mendes era ex-vice presidente da empresa Mendes Júnior. Ele foi condenado no dia 14 de novembro de 2014 a cumprir 19 anos e 4 meses em regime fechado por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e associação criminosa. Em 2017 a pena aumentou para a 27 anos e 2 meses.

Alberto Elísio Vilaça

Ex-diretor da área de óleo e gás da Mendes Júnior, Alberto Elísio Vilaça foi condenado a 10 anos por corrupção ativa e associação criminosa, além de multa no valor de R$ 762.750,00.

Fernando Moura

Fernando Moura era empresário e se entregou à Polícia Federal em Curitiba no dia 18 de maio de 2018, sendo condenado a 12 anos e 6 meses por crimes de corrupção passiva, crimes de lavagem de dinheiro e de associação criminosa.

lucas de Paula