PUBLICIDADE

Acordo Mercosul-União Europeia é temido por empresários

00:00 | 02/07/2019

O acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia, após 20 anos de negociação, divide opiniões. O Ministério da Economia estima incremento de US$ 87,5 bilhões em 15 anos para o PIB brasileiro, mas alguns setores temem uma situação oposta. Parte das reclamações chegam das zonas francas, que atuam livres de impostos; mas existem temores espalhados por várias áreas.

O presidente do Simagran, Carlos Rubens, por exemplo, explica que para a área de rochas ornamentais é melhor manter a situação como está. Existe uma assimetria entre exportação e importação que favorece o industrial brasileiro. Com a ausência de taxas para a exportação de mármore e granito e uma situação contrária no caso das importações.

Com o "custo Brasil", os empresários temem não ter condição de competir em igualdade. Portanto, seria necessário primeiro melhorar a economia, para depois ampliar o processo de globalização.

Aprovações no Congresso

Alguns grupos de empresários ainda analisam os possíveis impactos do acordo Mercosul-EU na cadeia produtiva. A preocupação só não é maior, em função do acordo levar até dois anos para entrar em vigor.

Carlos Rubens, por exemplo, acredita que deve ser estruturada uma discussão no Congresso Nacional. Além disso, todos os países terão que realizar suas aprovações separadamente, mesmo fazendo parte dos blocos econômicos.

 

PARACURU, CE, BRASIL, 29.06.2019: torres de energia eolica vistas dos Lençois de Paracuru.  (Fotos: Fabio Lima/O POVO)
PARACURU, CE, BRASIL, 29.06.2019: torres de energia eolica vistas dos Lençois de Paracuru. (Fotos: Fabio Lima/O POVO)

Ação com desenvolvedores

O Núcleo de Energia da Fiec,coordenado pelo executivo Joaquim Rolim, fez uma avaliação dos resultados do leilão A-4, realizado pela Aneel na última sexta-feira.

O Ceará ficou na segunda posição no Brasil, com 20% dos projetos solares contratados, e já possui oito usinas solares em operação.

Em contrapartida, na área de energia eólica, é percebida uma queda na quantidade de investimentos cadastrados. Diante da situação, o Núcleo chegou a conclusão de que será preciso a interação com os desenvolvedores de projetos.

Inauguração em setembro

As obras da unidade do Senac na Avenida Desembargador Moreira já estão fase de conclusão. Foi marcado para setembro a inauguração do espaço, onde funcionarão vários cursos.

A unidade será a primeira escola de educação profissional do Senac, cuja biblioteca terá acervo virtual e físico; aromateca; modateca e cozinhas experimentais.

 

Desafio da economia

O senador Tasso Jereissati (PSDB) acredita que a organização das contas públicas representa um dos grandes desafios da economia brasileira. Na avaliação do parlamentar, esse é "o maior inimigo do crescimento no País". Tasso deu essa declaração após o anúncio do pacote de obras da Prefeitura de Fortaleza, estimado de R$ 1,5 bilhão.

 

Melhora de nota

A Fitch Ratings, empresa responsável pela análise de risco de crédito, fez uma reavaliação da nota do Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) da FortBrasil. Pela agência, a nota da fintech cearense passou de BBB- para BBB . Ou seja, houve melhora do grau de confiança.

Parceria com a EDP

A dinamarquesa Vestas continua ampliando o volume de encomendas. A mais recente foi realizada pela EDP, no município de Campo Formoso, no estado da Bahia. O projeto inclui a instalação de 47 turbinas eólicas V150-4.2 MW.

Mais voos

A frequência de voos para Fortaleza deve aumentar durante o Fortal. Segundo Colombo Cialdini, diretor do evento, a Secretaria de Turismo realizou negociação com as companhias aéreas para garantir o fluxo de pessoas de outros estados para o evento.

 

Frase

Não basta despachar papel: é preciso resolver o caso

Rubem Braga (1913-1990),escritor brasileiro

Neila Fontenele