PUBLICIDADE

Economia precisa de agenda positiva

00:00 | 13/06/2019

O segundo semestre se aproxima e a ausência de uma agenda positiva na economia permanece. Uma das consequências imediatas do marasmo está presente no humor dos empresários, executivos e analistas de mercado. A pesquisa Índice de Expectativas dos Especialistas em Economia (IEE), realizada pela Fecomércio-CE e pelo Conselho Regional de Economia (Corecon-CE), é mais uma prova disso.

O número de variáveis analisadas como pessimistas saltou de três para sete. São elas: cenário internacional; taxa de juros; evolução do PIB; taxa de inflação; nível de emprego; taxa de câmbio; e salários reais.

Com uma perspectiva favorável, estão apenas as variáveis "gasto público" e "oferta de crédito".

Portanto, vale ressaltar novamente: os agentes econômicos precisam de novas motivações para investir e gerar emprego.

 

Projeto com apoio da União

O projeto de otimização e de eficiência do Centro Industrial do Ceará (CIC) ganhou apoio do Governo Federal. A nova fase do programa foi apresentada ontem, pelo presidente do CIC, André Siqueira, após negociações em Brasília e São Paulo.

André Siqueira esteve com o diretor de desburocratização do Governo Federal, Gianluca Lorenzon, voltando motivado. Ele também participou de entendimentos sobre a Medida Provisória da Liberdade Econômica e apresentou sugestões para melhorar o ambiente de negócios no Ceará.

Sérgio Gabrielli, ex-presidente da Petrobras
Sérgio Gabrielli, ex-presidente da Petrobras

Gabrielli na defesa da Lubnor

O ex-presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli, virá ao Ceará no próximo dia 17. Ele participará de audiência pública na Assembleia Legislativa, marcada para as 14 horas. Na ocasião, será discutido o anúncio da companhia de privatizar a Refinaria Lubrificantes e Derivados do Nordeste (Lubnor), que fica em Fortaleza.

A audiência foi requerida pelo deputado petista Moises Bráz, em função dos alertas de prejuízos para o Estado em caso da privatização. O presidente do Sindicato dos Petroleiros do Ceará, Jorge Oliveira, destaca que "a Lubnor foi, por muitos anos, a maior pagadora de ICMS do Ceará, uma das maiores pagadoras de ISS e IPTU em Fortaleza, além de gerar oito mil empregos diretos e indiretos".

Dupla frustração

A viabilização de outra refinaria no Ceará foi bandeira de luta de governadores e empresários locais desde os anos 1970. O Estado sofreu com promessas de instalação de plantas de refino durante décadas, com esforços de investimentos; com desapropriações de terrenos; e com instalações de cursos técnicos e de graduação para preparação de mão de obra. A proposta de privatização da Lubnor representa, assim, uma dupla frustração.

Ironias da vida

A Lubnor é um dos poucos investimentos concretos da Petrobras no Ceará diante de tantas promessas. A venda da empresa ou seu fechamento pode ser uma grande perda para o Estado, mas soa como ironia chamar Sérgio Gabrielli para defendê-la: afinal, ele protagonizou um dos maiores capítulos de enrolação diante das negociações de possíveis investimentos no Ceará.

Pátio Beira Rio

A área sul de Fortaleza ganhará mais um empreendimento. Trata-se do Pátio Beira Rio, cujas obras foram iniciadas em março, com entrega prevista para daqui a nove meses. O projeto foi desenvolvido e será lançado pela Alessandro Belchior Imóveis na Avenida Rogaciano Leite, 2.080.

Várias marcas já confirmaram que estarão no empreendimento. Uma das âncoras será o Pinheiro Supermercado.

Termelétrica no Pecém

O projeto da termelétrica Portocem, que se instalará próximo à ZPE Ceará, com investimento superior a R$ 6 bilhões, foi fruto do trabalho do ex-deputado Antonio Balhmann. O parlamentar, até 2018, era responsável pela atração de investimentos, e deixou alguns projetos negociados.

Balhmann está agora no Conselho de Altos Estudos da Assembleia e promete sair do "estado de hibernação" em breve.

Neila Fontenele