PUBLICIDADE

Um século para dobrar a renda

05:00 | 25/02/2019

O economista e professor Ricardo Eleutério fez uma análise do crescimento do Brasil desde a década de 1940.

Eis alguns dados: o País, depois de conseguir uma taxa anual média de 7% entre 1940 e 1980, alterou o seu comportamento. Entre 1981 e 2016, ocorreram nove recessões, o que equivale a cerca de 12 anos de dificuldades. "Ou seja: em um terço do período 1981-2016, o país viveu em recessão", ressalta.

Diante deste cenário, ele fez um exercício de projeção, calculando a possibilidade de crescimento de 2% ao ano, com uma taxa de ampliação da população próxima a 1%. Neste caso, a renda per capita passa a se expandir em 1% ao ano. "Assim, levaríamos cerca de 100 anos para dobrar a renda per capita atual, que é da ordem de US$ 10 mil".

O exercício de projeção mostra bem os custos, para a sociedade, da falta de um crescimento efetivo para a população e dos problemas brasileiros de distribuição de renda. Em suma: não seremos nós os beneficiários desse possível crescimento.

Ricardo Eleutério e Isabel Colares, presidente do Corecon-CE, participam hoje do O POVO Economia, na TV O POVO, às 20 horas.

Planejamento

DESENVOLVIMENTO DAS CIDADES

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), que ficou responsável pelo Minha Casa, Minha Vida, por políticas federais de segurança hídrica, por saneamento ambiental e mobilidade urbana, está elaborando o Planejamento Estratégico.

As diretrizes das ações serão voltadas para o desenvolvimento das cidades. O plano, pelo menos no discurso, tem o objetivo de reduzir as desigualdades regionais até 2022, através da integração de políticas públicas. A primeira fase do planejamento deve ser concluída em março, com a entrega do mapa estratégico.

Rosas 2

AMPLIAÇÃO DA PRODUÇÃO

O proprietário da Reijers, Roberto Reijers, informa que a produção em São Benedito irá dobrar, com o objetivo de atender o mercado nordestino. A Reijers produz cerca de 150 mil hastes de flores de 16 espécies diferentes por dia, totalizando aproximadamente 48 milhões de botões por ano.

As exportações também podem ser retomadas com os novos voos conquistados com o hub, mas vai demorar pelo menos dois anos para conseguir atender a demanda de estrangeiros, já que o produto comprado fora do País apresenta especificidades diferentes.

Rosas 3

FALTA D'ÁGUA

O desafio para a ampliação da produção passa pela falta d'água. Roberto Reijers diz que é preciso o apoio do setor público para a criação de açudes. A empresa faz hoje armazenamento da água da chuva e utiliza poços.

Com a visita da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, há esperança de apoio para a melhora da estrutura hídrica.

Esocial

ADAPTAÇÃO DOS CONDOMÍNIOS

As empresas ainda apresentam dificuldades para se ajustar ao eSocial. Há investimentos na compra de software e treinamento de pessoal, mas mercados também estão surgindo. Algumas empresas já percebem a migração de condomínios para administradoras especializadas, já que o setor também terá de se adaptar e migrar para o sistema.

Summit

TREINAMENTO DE LIDERANÇAS

Fortaleza sediará o Global Leadership Summit no período de 28 a 30 de março. O evento acontece desde 1995 em Chicago (EUA), com treinamento de lideranças. As inscrições podem ser realizadas pelo site summitbrasil.com.

FORTALEZA, CE, BRASIL, 02-05-2014: Arranjo de rosas de diversas cores. Flores no Pão de Açúcar do bairro Mucuripe. (Foto: Camila de Almeida/O POVO)
FORTALEZA, CE, BRASIL, 02-05-2014: Arranjo de rosas de diversas cores. Flores no Pão de Açúcar do bairro Mucuripe. (Foto: Camila de Almeida/O POVO)

Qualificação do turismo

A produção de rosas por parte do Ceará, na década de 1990, foi algo revolucionário: um estado no semiárido exportando flores para a Holanda. Depois, com os problemas de falta de aeronaves para o transporte do produto, as vendas externas pararam, mas a produção continuou.

Agora, é iniciada uma nova etapa nesse percurso: há um esforço para a qualificação do turismo na Serra da Ibiapaba, mostrando a beleza da sua produção. Já existe a rota Mirante, com passeios que passam por dentro das empresas

 

Turismo

O projeto Aviação Ceará mostrará os impactos na atividade econômica dos setores ligados ao turismo e traz entrevistas exclusivas em diversas plataformas: audiovisual, impresso e portal

Neila Fontenele