PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Empresas buscam compartilhamento de cargas para exportação

05:00 | 12/02/2019

Os produtores de alimentos cearenses buscam saídas para colocar seus produtos no mercado internacional. Uma das propostas estudadas para pequenos industriais passa pelo compartilhamento de cargas. Atualmente, a demanda ainda incipiente inviabiliza o envio de mercadorias para o exterior mas, com a divisão de espaços entre os industriais, pode haver a superação dessa dificuldade até os projetos amadurecerem.

O presidente do Sindialimentos, André Siqueira, estará no próximo dia 20, em Brasília, participando de reunião no Conselho Temático da Agroindústria na Confederação Nacional da Indústria (CNI). Será feita uma retrospectiva das ações de internacionalização já realizadas pela entidade, como o caso da Frutã (empresa premiada do Vale do Jaguaribe), que lançou o Natchup (ketchup de acerola, beterraba e abóbora), no ano passado, em Paris. Em 2019, novas produções devem ser incentivadas.

"Iniciamos o ano em buscas de novos projetos que possibilitem projeções aos nossos associados", ressalta André. Essas ações devem ocorrer ao longo de todo o ano, além da preparação das empresas para torná-las aptas à exportação.

Vendas externas 1

QUEDA NO COMÉRCIO DE FRUTAS

As exportações cearenses tiveram o melhor janeiro da sua história. O estudo elaborado pelo Centro Internacional de Negócios (CIN), da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), mostra que o Estado vendeu US$ 238,6 milhões no comércio internacional, o que representa um número 32,2% superior ao mesmo mês de 2018.

Mesmo com esse desempenho, alguns setores não tiveram um resultado tão bom. O grupo formado por frutas, cascas de frutos crítricos e melões, por exemplo, apresentou queda de 32,1% no acumulado entre 2018 e 2019.

Vendas externas 2

CRESCIMENTO
DE 3.910 %

Um setor que apresentou número surpreendente nas exportações foi o de máquinas, aparelhos e materiais elétricos, com elevação de 3.910,6% entre 2018 e 2019. O dado salta aos olhos no relatório Centro Internacional de Negócios (CIN)

Boechat

LAMENTO DA INDÚSTRIA

Ontem, foi um dia especialmente triste para o jornalismo brasileiro, com a morte do colunista, apresentador e radialista Ricardo Boechat. O lamento pela perda reverberou por vários setores.

No Ceará, o presidente da Fiec, Beto Studart, encaminhou áudio destacando o vácuo deixado no jornalismo nacional. "Ele era um homem neutro, fazedor de notícias sérias, acompanhador dos problemas brasileiros e das soluções brasileiras", ressaltou.

Internet

NORDESTE É EXEMPLO
DE EXPANSÃO

O Nordeste possui bons exemplos de pequenos e médios provedores de internet que conseguiram expandir. Pelos dados da Anatel, em 2018, ocorreu aumento acima de 30% nos acessos realizados por provedores na região. Nos nove estados, em 2018, o ano iniciou com 1.061.278, em janeiro, e passando para 1.388.571, em dezembro do mesmo ano.

Turismo

ARTICULAÇÃO NO
CONGRESSO NACIONAL

O presidente da Associação Brasileira da Indústria do Turismo (ABIH nacional), Manoel Cardoso Linhares, articula um grande encontro para o dia 12 de março, em Brasília, com a participação de representantes de todos o estadas e da bancada do turismo.

A ideia é turbinar a frente parlamentar do setor para o encaminhamento dos projetos que beneficiam a cadeia produtiva do segmento.

TAGS