PUBLICIDADE

Editorial: Sínodo Especial para a Amazônia

01:30 | 06/10/2019

Às vésperas do Sínodo Especial para a Amazônia, que se inicia hoje, seguindo até 27 de outubro, o papa Francisco declarou que os incêndios florestais são um problema de todo o mundo. Em audiência no Vaticano, o sumo pontífice declarou: "A Amazônia que queima não é apenas um problema daquela região, é um problema mundial". O sínodo reunirá cerca de 250 bispos no Vaticano, com participação majoritária de representantes do Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Peru, Venezuela, Suriname, Guiana e Guiana Francesa, países que integram a região pan-amazônica. Haverá também a participação de povos indígenas e de especialistas no tema.

Contrariamente ao que pensa o governo federal, o fato de outros países revelarem preocupação com a Amazônia não significa ameaça à soberania nacional. Vários acontecimentos que ocorrem em outros países despertam a preocupação mundial, e contam com a participação de líderes de outras nações que - autorizados pelas partes envolvidas -, negociam para evitar conflitos. Isso não significa, por óbvio, que nações estrangeiras tenham direito de impor suas soluções a outros países. Além disso, no caso da Amazônia, apesar de 60% da floresta estar em território brasileiro, ela se espalha por outros oito países, assim seria bastante razoável buscar-se soluções comuns com os vizinhos.

A justiça social para os habitantes do território - 34 milhões de pessoas, entre os quais três milhões de indígenas - também estará em pauta no sínodo, juntamente com uma questão bastante complexa: a ordenação de homens casados para atender a populações moradoras de locais remotos, desassistidas de sacerdotes. Se confirmado essa medida, seria uma decisão sem precedentes na Igreja Romana.

Debater os problemas da Amazônia demonstra a preocupação com o futuro do planeta. E não existe nada mais elevado espiritualmente do que cuidar da Casa Comum, uma dádiva do Criador a todos os homens e mulheres e a cada ser vivente. Agora, resta pedir que a Divina Providência atue para que os participantes do sínodo encontrem uma luz que possa ajudar na imensa tarefa de proteger a Amazônia e cuidar de suas populações.