PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Seletiva do Nacional Taças das Favelas de Free Fire tem início

A fase Seletiva Nacional da Taça das Favelas Free Fire começou na sexta-feira, 13, e acontecerá até 15

16:26 | 14/11/2020
A fase Seletiva Nacional da Taça das Favelas Free Fire começou no dia 13 de Novembro, e acontecerá até o dia 15 (Foto: Divulgação)
A fase Seletiva Nacional da Taça das Favelas Free Fire começou no dia 13 de Novembro, e acontecerá até o dia 15 (Foto: Divulgação)

O cenário de eSports não para de crescer no País. Seguindo os exemplos de jogos já consagrados como League of Legends e Counter-Strike, a CUFA (Central Única das Favelas) se juntou a uma das gigantes do cenário de jogos mobile da atualidade, a Garena, para realizar um torneio nacional aos moldes da Taça das Favelas, torneio de futebol disputado há oito anos com times de vários estados, porém de esporte eletrônico: o Free Fire.

A fase Seletiva Nacional da Taça das Favelas Free Fire começou na sexta-feira, 13, e vai até o dia 15. A disputa acontecerá em seis quedas. Nessa etapa, as 36 equipes participantes serão dividas em três grandes grupos, e quatro melhores seleções de cada grupo irão avançar para a final nacional. Se classifica as equipes que melhor montarem durante a fase.

A fase final irá reunir esses doze times para disputar o grande prêmio de R$ 15 mil para a equipe campeã, e a premiação total será de R$ 30 mil.

A transmissão da seletiva fica por conta da própria Garena, que usará a plataforma própria BOOYAH! para exibir as partidas, e também do YouTube. Já as finais serão transmitidas também pelo SporTV3, além de cobertura televisiva do programa “Globo Esporte”. O fundador da CUFA, Celso Ataíde, reconhece a popularidade do jogo nas favelas. “Os jovens estão muito animados com a competição, e isso é só o começo. Na Taça das Favelas de futebol, já revelamos diversos nomes. Não tenho dúvida que essa tradição se repetirá no eSports.”

Leandro Valetim, chefe de Games e Esports da Globo, também acha que os eSports são uma forma de ascensão social. “O que víamos acontecer com o futebol agora também é uma realidade nos jogos eletrônicos. Somo apoiadores de iniciativas que procuram abrir caminhos para que surjam novos talentos, e a taça Free Fire é uma delas. Uma competição que chega para comprovar que tem game na favela, e que os craques em breve despontarão nos grandes clubes de eSports.”