PUBLICIDADE

Conferindo Dandara: Trials of Fear Edition

22:27 | 22/04/2020
Dandara: Trials of Fear Edition é um jogo de plataforma 2D com elementos da cultura brasileira
Dandara: Trials of Fear Edition é um jogo de plataforma 2D com elementos da cultura brasileira

O indie brasileiro Dandara, desenvolvido pela Long Hat House, se mostrou um dos melhores jogos produzidos no brasil nos últimos anos. Apesar de ser mais um metroidvania com estética pixel art (como muitos jogos lançados atualmente), desde seu lançamento inicial, em 2018, o game vem chamando atenção por sua mecânica de movimentação e combate inovadora para o gênero e por um apreço à cultura e às artes do Brasil que poucos games tiveram de maneira similar.

Recentemente o jogo recebeu um baita update, com Trials of Fear Edition, com modificações e novidades que valem a pena conferir e analisar se deram ou não vida nova à sua experiência já destacada de gameplay.

Dandara foi uma personagem importante da história brasileira. Esposa de Zumbi dos Palmares, foi símbolo do movimento de libertação da comunidade negra no país. Este espírito de luta e de quebra de correntes ecoa com força no game de mesmo nome. É um metroidvania 2D com uma mecânica de movimentação similar a Gravity Rush, mas aplicado aos jogos de plataforma. Dandara - protagonista - não se desloca andando, mas sim se lançando a partes específicas no teto ou chão dos espaços, como se grudasse a cada uma dessas partes como um imã. Esta forma inusitada de locomoção irrita um pouco no começo, mas logo se torna apenas o jeito característico do game de lidar com a locomoção. O jogo faz um bom trabalho em aproximar com cuidado o jogador de desafios que exigem coordenação e controle na movimentação da personagem.

Como um genuíno metroidvania, o progresso pelo enredo de Dandara é controlado por tanto que o jogador explora o mapa de cada fase até encontrar o item ou habilidade que abre o caminho a se seguir. Inimigos derrotados e baús abertos te garantem maneiras de incrementar as habilidades de Dandara, tornando-a mais poderosa e apta a explorar partes mais desafiadoras do mapa.

A alegoria de Dandara com a falta de liberdade transborda do enredo e acaba afetando parte do divertimento com o game. O sistema limitado de movimentação acompanha também um sistema de combate focado no lançamento de projéteis das mãos da personagem. Contudo, diferente dos vários ângulos em que Dandara pode se mover por entre saltos de cima para baixo, seus ataques são, na maioria, feitos na horizontal, o que exige do jogador lidar constantemente com um senso limitado de liberdade, que se traduz (em parte) na mecânica de travessia, mas não na de combate, tornando a última, talvez a pior parte do game.

Apesar do combate não ser seu forte, é preciso destacar a qualidade das lutas contra os principais chefes presentes no jogo. Cada vilão principal do jogo tem um cenário próprio e mecânicas que tornam seu enfrentamento sempre interessante. Em algumas partes, o jogo quase deixa de ser um metroidvania para se portar mais como um jogo de quebra-cabeças, e durante as lutas com os chefes é quando essa mudança ocorre de maneira mais acentuada, e divertida também.

Dandara: Trials of Fear Edition é um jogo de plataforma 2D com elementos da cultura brasileira
Dandara: Trials of Fear Edition é um jogo de plataforma 2D com elementos da cultura brasileira (Foto: Divulgação/Long Hat House)

Dandara não é um jogo fácil, tampouco injusto. Do início ao fim é consistente em seu propósito de fazer o jogador lidar com cada obstáculo do game como se fosse o primeiro. Neste sentido, o game se assemelha a jogos como Bloodborne e os demais da linha Souls. Há uma mecânica que elimina boa parte do que o jogador coleta ao longo do jogo, caso ele não retorne ao lugar onde morreu ao ser derrotado por um inimigo. Não levar em conta a coleta de itens garante menos pontos na hora de evoluir a personagem principal, deixando, assim, o jogo mais difícil. Sobre seu visual, Dandara é muito bonito.

Apesar de a estética pixel-art não agradar a todos, ela sem dúvida encaixa muito bem com a proposta de um metroidvania em duas dimensões. Ainda sim, os artistas por trás da apresentação de Dandara conseguem surpreender em diversos momentos, elevando o grau de qualidade de algumas sequências ou através do uso de referências da cultura pop e do Brasil na criação de alguns cenários, personagens e vilões. A presença de um NPC claramente inspirado na pintura Abaporu, de Tarsila do Amaral, deixa claro como Dandara brilha diferente dos outros games de seu gênero.

Dandara: Trials of Fear Edition é um jogo de plataforma 2D com elementos da cultura brasileira
Dandara: Trials of Fear Edition é um jogo de plataforma 2D com elementos da cultura brasileira (Foto: Divulgação/Long Hat House)

A expansão Trials of Fear Edition foi lançada há pouco, no começo de março deste ano, e traz consigo três novas áreas a se explorar, além de um final adicional ao original do game. Ademais, novos diálogos e cenas extra foram acrescidos ao pacote, tornando esta a versão mais completa do título. Outra novidade deste update foi a inclusão de um suporte aprimorado a mouse e teclado. Originalmente, Dandara havia sido projetado para gamepads e para o controle por toque, para uso em smartphones ou tablets. Aos que jogaram o game anteriormente, durante seu lançamento inicial - em 2018 - e sentiram a necessidade de maior precisão usando os periféricos mais comuns ao PC, o game poderá ser aproveitado de maneira bem mais confortável agora.

Por fim, Dandara: Trials of Fear Edition refina ainda mais um dos melhores indie games brasileiros da atualidade. Seu método de controle, apesar de difícil de dominar, oferece um frescor ao seu gênero que merece mais atenção dos gamers fãs de metroidvanias ou de games em 2D do que Dandara recebeu desde seu lançamento, até a chegada desta DLC.

O game está disponível para Nintendo Switch, Xbox One, PlayStation 4, Windows, MacOS, Linux, iOS e Android

Davi Rocha