PUBLICIDADE

Base e oposição esfriam ânimos no Ceará

01:30 | 29/05/2019
Capitão Wagner:
Capitão Wagner: "Nunca fui oposição"

Um dia após Camilo Santana (PT) se sentar com a base aliada para realinhar discursos, uma enxurrada de deputados saiu ontem em defesa do governo na Assembleia. Em clima de "retomada" do plenário, pelo menos nove parlamentares elogiaram atitude do governador e destacaram importância da conversa com o Executivo. Clima bem diferente do que prevalecia na semana passada, quando votações de interesse do governo foram prejudicadas pela ausência de deputados aliados no plenário do Legislativo.

No centro da "pacificação" da base, o compromisso do Executivo em não mexer (na medida do possível) com emendas parlamentares devidas aos deputados, sugerindo inclusive a criação de uma comissão para tratar da liberação dos recursos. É com essa verba que o governo realiza intervenções em municípios indicados pelo Legislativo, uma das principais reivindicações de qualquer deputado. Todos querem, afinal, levar ações para os redutos eleitorais.

"Disse ao governador sobre a necessidade de investimentos imediatos nas nossas estradas e ele de pronto já tinha um planejamento no valor de mais de R$ 150 milhões em investimentos. Na segunda-feira, as máquinas já iniciavam o trabalho na BR-020, no trecho da entrada do município de Parambu". A fala, feita ontem pelo deputado Leonardo Araújo (MDB), sintetiza bem os porquês da reaproximação. Ponto para a liderança do governo na Assembleia, que articulou a ponte entre Executivo e Legislativo. Resta saber se ela será duradoura.

Wagner e Bolsonaro

Clima de página virada não ficou restrito à base aliada, com terça-feira de "bandeiras brancas" também na oposição de Camilo. Poucos dias após subir o tom contra o Planalto por conta dos cortes anunciados na educação superior, o deputado Capitão Wagner (Pros) gravou ontem vídeo em que aparece mais uma vez ao lado do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Nas imagens, o chefe do Executivo agradece a confiança do povo cearense e diz que, "com pessoas como Wagner do nosso lado", a tarefa de gerir o País fica facilitada.

No início do mês, o deputado chegou a entrar em confronto com parte da base de Bolsonaro no Ceará, após promover uma série de críticas à reforma da Previdência. Presidente do PSL em Fortaleza, o deputado estadual André Fernandes chegou inclusive a afirmar que, por conta dos posicionamentos, Wagner poderia perder apoio do partido em uma eventual disputa pela Prefeitura de Fortaleza em 2020. O encontro de ontem, no entanto, dá ares de página virada no conflito. "Nunca fui oposição, então acredito que o encontro foi importante para colocar os pingos nos i's", diz Wagner.

O deputado afirma, no entanto, que isso não significa um "alinhamento automático" com o presidente. "Continuo tendo meu posicionamento independente. Tudo que for bom para o Ceará a gente vai continuar buscando. No que não for, eu vou apresentar argumentos técnicos, de forma respeitosa", diz. O deputado hoje questiona, por exemplo, mudanças na aposentadoria rural e o sistema de capitalização previsto na reforma da Previdência.

BNB sem fusão

Depois de o governo desmentir categoricamente perspectiva de privatização do Banco do Nordeste (BNB), agora foi a vez de outro rumor em torno do banco ser descartado pelo Planalto: o de uma possível fusão entre BNB e o BNDES. Em reunião ontem com a bancada federal do Pros, o ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil) foi firme em afirmar que, pela posição do governo hoje, o banco continua como está. "Posicionamento do governo é que o BNB nem é privatizado nem será fundido, até pelos resultados positivos que ele está tendo", disse Capitão Wagner, presente no encontro.

Carlos Mazza