PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Empurroterapia: tem concessionária que não perdoa...

00:30 | 20/08/2020

A lenga-lenga é sempre a mesma: o dono leva o carro para a oficina da concessionária e procura o "consultor técnico" (nova denominação de recepcionista) para a revisão obrigatória.

O consultor consulta a papelada e passa o orçamento: "Vai ficar em R$ 950". O dono protesta e aponta para um cartaz bem ali na parede informando que aquela revisão é tabelada em R$ 350. Por que quase o triplo?, pergunta.

Hora das "explicações" na ponta da língua: o valor anunciado é da revisão "standard", sem outros serviços importantes a serem também realizados. Os mais frequentes:

1 - Troca do rolamento da correia dentada - Na quilometragem recomendada no manual, só consta a troca da correia, preventivamente. Em alguns raros casos (Renault, por exemplo) também o rolamento. Argumento do consultor: já que o conjunto foi desmontado, vamos trocar também o tensor/rolamento, para evitar abrir tudo de novo daqui a dois meses....e o rolamento - ainda em ótimas condições-vai para o "lixo"... (será?)

2 - Limpeza da sonda lambda. Situada no escapamento, informa para a central eletrônica - do carro flex - qual o combustível no tanque, se gasolina ou etanol. Ou uma mistura. Só que inexiste limpeza de sonda lambda.

3 - Descarbonização do motor - Apesar de ter sido sempre abastecido com etanol (baixíssimo teor de carbono) e o motor estar limpo, o consultor "percebe" (sabe-se lá como...) a necessidade desse serviço.

4 - Balanceamento - O alinhamento é realmente recomendado em determinada quilometragem, mas nada a ver com balanceamento de rodas, exceto se o motorista percebe uma vibração no volante.

5 - Lubrificação - Nada mais se lubrifica no automóvel moderno. Nem mesmo a suspensão, que exigia esse serviço no passado. Talvez as dobradiças das portas, se estiverem rangendo. Ou coisa semelhante. Mas, recentemente, tentativa de extorsão sofrida pela dona de um Honda levado para a revisão foi a insistência de se lubrificar "as porcas das rodas" ... pode? Aliás, além do óleo para lubrificá-las, o consultor deveria usar também o de peroba para lustrar a cara de pau...

6 - Na revisão, prevista a troca de óleo do motor. Entra então em cena a "empurroterapia": um aditivo para "prolongar a vida do motor". Pode ser até perigoso, pois o óleo já vem de fábrica com os aditivos necessários. Ora, se os "extras" não combinarem quimicamente com os originais, o motor pode até ser danificado.

7 - Limpeza do tanque - O carro pode rodar centenas de milhares de quilômetros e dezenas de anos sem exigir manutenção do tanque de combustível. Exceto na quase impossível situação de ter ficado estacionado por muitos anos com o tanque vazio.

8 - Trocar discos - A oficina observa a necessidade de trocar as pastilhas de freio, que é normal. Mas - atenção! - vem também a recomendação da desnecessária troca dos discos, que não é automática, como alegam: só se estiverem danificados, riscados, empenados e impossível retificá-los por já terem atingido a espessura mínima especificada.

9 - Limpeza do sistema de injeção - Só se limpa o que está sujo. E que se percebe pelo funcionamento irregular do motor. Mas o consultor já sapeca na ordem de serviço "limpeza de bicos (ou válvulas) injetores', ou do TBI (corpo da borboleta) sem que o dono tenha reclamado nenhum problema de marcha lenta, tossir, engasgar, perder desempenho, aumentar consumo ...

Os consultores das concessionárias que exercem a "empurroterapia" se armam de uma inexplicável sabedoria para sustentar seus insustentáveis argumentos. Contam com a ignorância técnica do freguês e a inexorável - e falsa - alegação de que, se o serviço não for autorizado, o carro perde a garantia. Poucos sabem que o "consultor" tem função dupla: a técnica e a comercial, pois é comissionado para impingir os "extras" aos fregueses.

Tanto a "empurroterapia" se disseminou que as fábricas, preocupadas, divulgam os preços das revisões obrigatórias. Inutilmente, pois não conseguem conter a "criatividade" de algumas concessionárias sedentas por maior faturamento, ainda que ignorando os mais elementares princípios de honestidade.

TAGS