PUBLICIDADE

Chão da realidade

01:30 | 09/07/2019

- PASSADA a tempestade da Copa América — respeite a tempestade de jogos ruins e inexpressivos — voltemos a pisar no chão da realidade do futebol brasileiro. Precisamente aquilo que o torcedor mais gosta, ou seja, ver a bola rolando pra valer, em partidas de três pontos.

- RETORNO do Brasileirão, os clubes ainda bocejam após 30 dias ininterruptos sem qualquer atividade a não ser treinos e alguns jogos amistosos (menos aqui) apenas pra esticar as pernas, saindo do enfado de treinos físicos.

- SALDANHA dizia com muita propriedade que jogador não tolera treinamento físico, pois o que gosta mesmo é de partida pra valer. Amistoso então não passa de um faz de conta. Costumo dizer que amistoso tem o exato gosto (?) de beijo suado na testa. Da minha parte, corro as léguas.

- SE alguém se atrever a perguntar a qualquer torcedor, com as raras exceções, como ficou o Brasileirão, posição do seu clube, após tamanha paralisação, poucos saberão responder. Apenas que o Palmeiras é o líder disparado a caminho do bi. E quem atrás deles? Flamengo, Santos, Atlético Mineiro, não necessariamente nessa ordem.

- ASSIM como muitos se lembrarão de que o Cruzeiro, todo poderoso, está na zona de rebaixamento. Mas aí por pouco tempo. Clube mineiro tem potencial de sobra pra sair desta zona maldita.

- NOSSOS dois, parte que nos toca — Ceará e Fortaleza — estão na zona do purgatório, um olho no chamado Z-4 outro olho querendo sair desta incômoda situação. Por enquanto, recomenda-se não se meter a mão no fogo por nenhum deles.

O RESCALDO

- O POUCO que sobrou da Copa América, o rescaldo, foi muito pouco, quase nada aproveitável.

- COPA em que o Daniel Alves foi escolhido o melhor jogador dá pra desconfiar de que renovação que é boa passou longe.

- PORÉM, como revelação, o Cebolinha, apelido que pegou e dele, por mais que queira, jamais se livrará. Ainda bem um apelido simpático, personagem das revistas infantis.

- ÉVERTON, o nosso Cebolinha, sai também como o jogador mais valorizado do futebol brasileiro. Não vai demorar muito tempo no Grêmio, que ganhará boa grana, e o Fortaleza na rebarba, esfregando as mãos pra meter a mão nos 10%. Isto é, se forem para seus cofres. Há controvérsias.

- MELHOR seleção, ou a menos ruim, ao meu gosto, Uruguai com sua dupla de atacantes (o dentuço Luis Suárez e o cara de pedra Cavani), a melhor do mundo. Uma final contra o Brasil, ao invés do fraco Peru, a toada seria outra.

- DOS raros sem tatuagens estavam o Artur e o Richarlison pelo Brasil. Maior colecionador, Daniel Alves e o nosso Cebolinha. Aqui pra nós — que graça tem tatuar o corpo todo?

- TERMOS de público, um fiasco, exceção aos jogos do Brasil. Ingressos aos olhos da cara. O torcedor brasileiro fugiu das peladas.

- GABRIEL Jesus, o primeiro jogador da história da Copa América a marcar o gol na final e logo após ser expulso. Fatalmente pegará gancho daqueles. Nem tanto pela expulsão, sim, pelo gesto com a mão de que o árbitro estava roubando...

- MILITÃO, invenção do Tite, foi dos que entraram em campo menos tempo. Jogou, apenas 13 minutos, na final.

- QUANTO ao Tite, mesmo constrangido, recebeu a medalha do presidente Bolsonaro, pois Lula até a medula. Ficou à parte das comemorações, principalmente depois que, a pedido dos atletas, Bolsonaro posou agachado com a taça, enquanto os atletas em coro, gritavam "mito, mito". Tite desceu às pressas para o vestiário.

BOCA DE FORNO

- DAS coisas incríveis deste futebol divino e maravilhoso.

- FORTALEZA convidou o Ferroviário para um match-treino hoje em seu CT, o escondidinho do Ceni.

- FERRÃO topou, mas mandará time reserva, a turma da laranja.

- CENI deu a seguinte ordem — match-treino fechado pra todo mundo. Inclusive e principalmente a imprensa da qual tem ojeriza. A daqui, bem entendido.

- PELO andar da carruagem, diante de tanto mistério será proibido também se revelar o placar...