PUBLICIDADE

Obra do acaso?

01:30 | 03/07/2019

- INTIMAMENTE, talvez, jamais tenha passado pela cabeça do Éverton, o nosso Cebolinha, que um dia chegasse a virar protagonista da seleção brasileira, muito menos xodó dos torcedores. Tampouco imaginou que pudesse ouvir todo um estádio de futebol, em coro, gritar pelo seu apelido.

- ACABOU acontecendo, mesmo que não pensasse, sequer de longe, que alcançaria este patamar. Éverton é hoje o jogador mais valorizado do futebol brasileiro, somada a maior revelação dos últimos tempos. Pra completar — único titular da seleção a continuar jogando no Brasil, pelo Grêmio. Os demais são todos "estrangeiros", prato pronto que o técnico Tite.

- COMO nada na vida acontece por obra do acaso, precisou que Neymar, cuja fama ele mesmo tratou de estragar com suas estrepolias extracampo, colaborar pra que a ascensão do Éverton acontecesse. Não fora isso, ele estaria curtindo o banco de reserva como tantos outros, esperando vez.

- MELHOR vem agora. Ele, o nosso Cebolinha, chegou pra ficar e se fixar. Mesmo que um dia Neymar volte, e voltará, claro, haverá de ter um lugar pra ele na seleção com ou sem Tite no comando. Quem deveria ocupar o lugar de Neymar, pela lógica deveria ser o Philippe Coutinho. Tiro no pé. Coutinho não se impõe em absolutamente nada, a não ser um bom jogador, sem ser craque, longe de ser protagonista. Futebol, como o amor, tem suas razões, que a própria razão desconhece.

DOR DE COTOVELO

- PRÓPRIA imprensa tratou de preparar o prato quente do clássico sul-americano, abrindo largas manchetes com direito a fotos, fixando-se no duelo entre Éverton x Messi. Imaginem a dor de cotovelo que se apossou do Neymar ao ver a que ponto chegou a ascensão meteórica do Cebolinha.

- QUEM foi ao Mineirão, ontem à noite, muito mais pra ficar de olho neste duelo à parte (Éverton x Messi), evidentemente torcendo pelo brasileiro, nascido e criado bem ali em Maracanaú. Fazia muito tempo um cearense não chegava a tamanho patamar. Quem se lembra do último cearense a ser catapultado a essa condição? Aguardo cartas...

ANTES DE A BOLA ROLAR

- PRA quem adora curiosidades, rol dos quais me incluo, caso contrário não seria jornalista, lá se vão algumas desta Copa América, mesmo anódina e sem graça.

- ALCANÇOU a 46ª edição, embora não necessariamente com este nome, porquanto embrião do Sul Americano, prato borbulhante de rivalidades históricas.

- SABIAM que é o Uruguai o maior detentor de títulos, somando 15, seguido de perto pela Argentina com 14? Brasil é o terceiro do ranking, com 8 títulos. Aliás, Uruguai era a melhor de todas as seleções que disputam a atual Copa América, traída três vezes pela vigilância do tal VAR, a gerigonça da Fifa, anulando três gols. Árbitro frouxo se deixou levar não pelo que marcou e sim pelo que o VAR o advertiu. Nos pênaltis, perdeu pro Peru, que não chutou uma única bola em direção ao gol.

- DE todas as seleções, é o Chile o atual bicampeão. Não por coincidência, entrou na reta final desta Copa. Cuidado com o Chile!

- ANTES dE a bola rolar, ontem à noite, em competições sul-americanas, o Brasil nunca perdeu pra Argentina. No Mineirão, apesar da maldição dos 7 a 1, sempre levou vantagem.

- PELO sim, pelo não, a Copa América, mesmo descaracterizada este ano com as inexplicáveis entradas de Japão e Catar, ideia de algum cartola lelé da cuca, é a terceira competição mais popular do mundo. Só perde pra Copa do Mundo e Eurocopa.

- POUCO se fala no nome do mascote da seleção brasileira. Trata-se do Zizito, em homenagem a Zizinho, que brilhou no futebol brasileiro, alcunhado de Mestre Ziza. Ele foi o maior artilheiro dos torneios sul-americanos com 17 gols. A homenagem, veio tarde, mas, enfim, alguém lembrou-se dele.

- MAIOR de todas as curiosidades. Argentina não ganha um título há precisamente 26 anos. Um longo e tenebroso verão...

BOCA DE FORNO

- QUE o Ceará quer um camisa 9, não é de agora. No listão elaborado por Robinson de Castro, existem três deles, cuja primeira letra coincidentemente é o L. Anotem e recortem — Lucca, Lucão, Lucas Barrios. Mais cotado — Lucão, que voltou correndo da Arábia alegando não suportar o calor sufocante...