Participamos do

O dia em que acordei de mim

01:00 | Set. 28, 2021
Autor O POVO
Foto do autor
O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Uma vez sonhei que era feliz. Sonhei que tudo que eu sempre imaginei ser impossível se tornaria realidade, tornara-se algo físico e palpável. Nesse sonho, tudo era lindo, fácil e aconchegante. Nele, os meus objetivos eram claros e incisivos. Eu estava encantada. E assim, fui vivendo, com esse sonho distante, com vislumbre de um dia o realizá-lo. À passos cálidos, vou até o sonho, todas as noites. Apoiando a cabeça no travesseiro, me vejo feliz. Suave, como uma pluma. Sonhar era quase viciante. Eu estava viciada em ser feliz, mesmo que por pouco tempo naquele universo alternativo. Quando cresci, e acordei, percebi que não era felicidade que me acalmava, era o medo. Medo de acordar e ser feliz aqui, ser feliz na realidade que nos consome. Medo de não ser como nos sonhos. Medo de ser eu. Medo de me ver vivendo e não sonhando.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente