Participamos do

Finalmente, esse aqui é sobre você

00:30 | Jun. 15, 2021
Autor O POVO
Foto do autor
O POVO Jornal
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Você destilou as suas expectativas em mim e ordenou que o meu peito correspondesse a elas de forma imediata e à risca, mas eu não poderia nem em um milhão de versos me submeter a essa silenciosa agressão.

Eu não sou uma idealização, mas uma mulher real. Não sou perfeita e as minhas imperfeições berram por todos os meus poros. Não sou e não poderia ser uma farsa, a intensidade que vos fala é genuína e ácida. Além de todos os hematomas que estampam a minha pele, eu sou afeto.

Sinto com pesar o peso de ter deixado que me visse até as entranhas. O amargo da tua verdadeira face é feroz e a tua estada leviana me roubou a calma.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

A sua pressa atropelou os meus sentidos e os ferimentos foram feitos para ontem. Contudo, embora haja tristeza, não há surpresa. Portanto, não há nada com que eu não possa lidar.

Você foi doçura contingente, mas por fim nociva. E se me permitir, foi menos perspicaz do que eu poderia julgar ser capaz. Esperei mais, mas as expectativas foram e são de responsabilidade minha, assumo-as.

Nosso fim foi assertivo e por isso, sou grata.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags