PUBLICIDADE
Opiniao

Review - The King of Fighters XIV Ultimate Edition

5 anos depois do seu lançamento original, o jogo é relançado

11:16 | 17/01/2021
The King of Fighters em nova edição (Foto: Divulgação)
The King of Fighters em nova edição (Foto: Divulgação)

The King of Fighters XIV, quando foi lançado em 2016, teve uma recepção aclamada de crítica e de público, mas os fãs de longa data podem não ter ficado tão contentes. Agora, em 2021, 5 anos depois do seu lançamento original, o jogo é relançado no título The King of Fighter XIV Ultimate Edition, que consiste no jogo base e nos oito personagens lançados em separado por DLC.

É uma sensação um tanto estranha jogar KOF XIV. Como um jogo de luta, ele é completo: rápido, dinâmico, amigável a novatos, com comandos precisos, combos básicos simples e golpes especiais de encher os olhos. Porém, como um the King of Fighters, embora esteja tudo lá, ainda tem uma falta de algum elemento, aquela liga que faz com que o jogo seja uma continuação do legado da franquia.

Dessa vez, nesse novo arco da história, temos os holofotes virados para Shun’ei, o novo discípulo do sábio mestre Tung Fu Rue. Na sua condição de mais novo aprendiz, ele passa a desafiar outros discípulos do mestre, como os irmãos Bogard, Terry e Andy. Além desses personagens, temos a reorganização do torneio homônimo do jogo feita pelo carismático Antonov, um autoproclamado primeiro vencedor, que decide reorganizar o torneio com o formato mundial, televisionado, nos moldes de KOF 97. Com esse anúncio, Shun’ei vê a oportunidade perfeita de testar suas habilidades contra os grandes lutadores do mundo, e decide se inscrever com o seu mestre e seu melhor amigo, Meitenkun.

Além desses novos personagens, temos a presença de vários novos rostos na série, como a bizarra Silvye Paula Paula, Gang-il, o mestre do conhecido lutador de Taekwondo Kim Kap Hwan, e o trio da América do Sul, onde o destaque se dá ao ninja brasileiro Bandeiras Hattori. Temos também a presença certeira de personagens clássicos como Kyo Kusanagi, Iori Yagami, além dos personagens de Art of Fighting, Fatal Fury, e todos os times clássicos que não podem faltar em um The King of Fighters, além da presença de Nakoruru, de Samurai Shodown. O pacote Ultimate trás ainda todos os personagens lançados como DLCs, onde destacamos Blue Mary, Oswald e Rock Howard, totalizando a incrível quantia de 58 personagens.

A talvez maior polêmica dessa versão é o sistema de combos facilitados. Todo personagem possui um combo de cinco hits que termina com o especial, que para ser executado, basta que o jogador acerte golpes com o mesmo botão. Essa mecânica acabou gerando polêmica pois, embora fosse uma forma de agradar os fãs mais jovens a executar combos, facilitava a competitividade dos fãs mais hardcore de KOF, que é famoso por tradicionalmente conter movimentos complicados de serem feitos. Embora os combos mais poderosos envolvam cancelamento de frames e o uso de especiais (que continuam difíceis de serem aplicados), a mecânica acabou por não agradar a todos.

Os modos de jogo também são todos os clássicos. A história é contada através do sistema Arcade, onde o jogador monta seu time e avança por dez estágio até enfrentar os chefes finais. Além dele, temos o tradicional Versus, o modo Missão, Treinamento e, obviamente, o modo Online, para desafiar lutadores do mundo inteiro. O jogo também conta com uma galeria de artes de toda a história de The King of Fighters, que é liberada de acordo com o quanto mais você joga, além de coleção de vozes e uma biblioteca de vídeos, que resumem a história da versão.

The King of Fighters XIV é uma interessante versão nova da franquia. Existem alguns elementos que acabam sendo retirados dos holofotes, como a adorada rivalidade entre Iori e Kyo, mas justificada pela nova história que o jogo decide introduzir com o arco de Shun’ei. E com o anúncio de The King of Fighter XV batendo à porta, com certeza esse título é a melhor forma de se preparar para o que vai acontecer no próximo título.