PUBLICIDADE
Tecnologia
REDE SOCIAL

Instagram é a rede que mais prejudica a saúde mental de jovens, diz pesquisa

O relatório aponta que um em cada seis jovens vai passar por um transtorno de ansiedade na vida

11:21 | 25/05/2017
Segundo estudo, as redes sociais podem gerar problemas como ansiedade e depressão (Foto: Divulgação)
O constante uso das redes sociais, principalmente para os jovens, entre tantos benefícios e vantagens, pode também gerar efeitos nada saudáveis para os usuários. Uma pesquisa no Reino Unido no início de 2017 da Sociedade Real de Saúde da Inglaterra (RSPH) trouxe dados sobre o impacto negativo das mídias sociais na saúde mental dos jovens. 
 
De acordo com o estudo, os jovens que passam mais de duas horas em redes sociais estão mais propensos a sofrerem problemas de saúde mental, principalmente angústia, ansiedade e depressão. Entre os fatores questionados no relatório, estão também solidão, relacionamento no mundo real, bullying, sono e auto-identidade.
 
Especialistas analisaram as atitudes de 1.479 pessoas entre 14 e 24 anos nas redes sociais como Instagram, Twitter,  Facebook, Snapchat e Youtube com o objetivo de saber como cada um sentia como essas plataformas poderiam impactar sua saúde e bem estar e fazer comparações. O Instagram foi considerado a pior rede por ser o mais nocivo entre os adolescentes. 
 
Reprovado na avaliação dos aspectos autoestima, horas de sono, medo de ser excluído, estímulo ao assédio digital, o Instagram seria a rede que mais impacta negativamente contribuindo para o aumento da depressão, ansiedade e sensação de solidão. 
 
O Snapchat também teve um resultado negativo, sendo prejudicial para as horas de sono e ansiedade social, resultante da ‘exclusão’ dos eventos sociais. Na relação, em seguida vem o Facebook, rede considerada pelo estudo a mais propícia ao assédio. Na seqüência, o Twitter,  que teve melhores notas devido aos aspectos de contribuição que muitas vezes é positivo e, por fim, o Youtube, que é apontado com menos efeitos negativos, com exceção do sono, que é impactado por não ‘deixar os jovens dormirem’. 
 
O relatório aponta que um em cada seis jovens vai passar por um transtorno de ansiedade em algum ponto em suas vidas e as taxas identificadas de ansiedade e depressão em pessoas jovens aumentaram em 70% nos últimos 25 anos.
 
 
Redação O POVO Online