PUBLICIDADE
Fortaleza
Noticia

Prefeitura nega cartilha sobre educação sexual para crianças e solicita inquérito policial

De acordo com a Secretaria Municipal de Educação (SME), são falsas as informações veiculadas pela jornalista Regina Villela em suas contas do YouTube e Twitter

18:31 | 02/09/2019
Documento divulgado é falso, garante Prefeitura
Documento divulgado é falso, garante Prefeitura(Foto: Reprodução/YouTube)

A Prefeitura de Fortaleza nega e repudia a divulgação de que uma suposta cartilha de educação sexual na primeira infância estaria sendo distribuída nas creches e escolas da rede municipal. A produção do material também foi negada pelo Governo do Estado. A jornalista Regina Villela, candidata não eleita ao cargo de deputada federal no Ceará pelo PSL em 2018, divulgou as informações em vídeo no YouTube e em sua conta no Twitter.

O documento divulgado pela jornalista é intitulado "Documentação pedagógica: a contribuição do coordenador na prática docente na educação infantil. Temática: A sexualidade na primeira infância", em papel aparentemente timbrado da Prefeitura de Fortaleza.

"A Secretaria Municipal de Educação (SME) está investindo pesado no treinamento de professores de creche. Isso seria ótimo se o material pedagógico não afirmasse que abraços, carícias e masturbação infantil pode acalmar as crianças", afirma em vídeo.

Em seguida, questiona a presença de uma charge que faz referência a Damares Alves, ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) no governo de Jair Bolsonaro (PSL). "A ministra Damares Alves foi vítima desse tipo de ataque a vida toda, desde criança quando quando foi molestada por um adulto. Mas a apostila da Prefeitura de Fortaleza menospreza isso. Ri da ministra", diz.

No final do vídeo, ela afirma também que todas as creches estão passando pelo suposto treinamento. "A Prefeitura diz que quem não fizer os cursos perde a verba para manter a creche", conclui.

O vídeo foi publicado nesse domingo, 1º de setembro, e já recebeu mais de 5 mil visualizações.

Nesta segunda, dia 2, ela publicou as páginas da suposta apostila, também no YouTube.

Pela tarde, a jornalista publicou que "teme" pela própria vida: "As denúncias que fiz são graves e esse pessoal não gosta de ser confrontado".

O que diz a Prefeitura

Em nota, a Secretaria Municipal da Educação de Fortaleza afirma que já determinou a adoção de todas as medidas judiciais cabíveis, inclusive com pedido de instauração de Inquérito Policial "para apurar a autoria de crime com informações mentirosas" vinculando o nome da pasta.

A SME também nega que exista produção e distribuição de qualquer material pedagógico sobre sexualidade infantil para as unidades de educação infantil do Município. O posicionamento destaca ainda que o tema não faz parte das diretrizes curriculares da educação infantil de Fortaleza.

"Reafirmamos total repúdio à abominável prática de notícias falsas que tentam manchar ou comprometer a crescente reputação nacional da educação infantil em Fortaleza", diz a nota. "O material veiculado é falso, tratando-se de montagem grosseira, utilizando indevidamente a identidade oficial da referida Secretaria Municipal".