PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Cinco sebos para desbravar em Fortaleza

O V&A mapeou espaços na Capital que abrigam raridades da literatura regional, quadrinhos, volumes clássicos, além de muitas memórias afetivas

01:30 | 10/07/2017
Geraldo Duarte com a família, que herdou o
Geraldo Duarte com a família, que herdou o "dom" para o negócio com livros. No sebo de Geraldo, cerca de 120 mil títulos estão disponíveis. Uma "atração" para os frequentadores TATIANA FORTES

“Lamentei muito não ter falado contigo na quinta”. É assim que começa a carta escrita à mão, com caneta de ponta porosa e tinta de cor preta, numa folha de caderno amarelada - datada de 26 de dezembro de 1993. Esquecida entre as folhas de um livro, hoje sob os cuidados do livreiro Geraldo, a missiva virou mais uma história entre tantas, descobertas entre aproximadamente 120 mil livros amontoados no sebo localizado na rua 24 de Maio, 950.

&nsbp;

O endereço no centro de Fortaleza, que resiste há 17 anos, é o lugar mais tradicional procurado por quem busca por obras raras ou que saíram de circulação. Espaço de infinitas possibilidades, os sebos mantêm viva a tradição literária em tempos de tantas tecnologias. O acervo de Geraldo Duarte, 76, é o maior da Capital, seguido da Livraria Arte&Ciência, com aproximadamente 50 mil volumes. Segundo ele, o público que frequenta o brechó de livros é formado principalmente por escritores e estudantes, que fazem do lugar um ponto cultural. “Vem gente de toda espécie: velha, jovem”, enumera. “Têm clientes que vem só namorar”, brinca.

Preço acessível, títulos esgotados em livrarias comerciais ou volumes raros, e o contato com histórias pulsantes, são os principais motivos que levam os leitores assíduos à garimpagem nos alfarrabistas. É o que destaca o contista e colunista do O POVO, Pedro Salgueiro, 50, que desbravava o sebo enquanto Sr. Geraldo era entrevistado por telefone.

“Fale aqui”, disse, sem cerimônia, o livreiro.

“Sebo é bom porque você vem procurar um livro, ele te obriga a remexer e procurar”, explica o escritor, cliente do brechó há mais de duas décadas. “Você acaba indo atrás de um livro e leva outro. É a grande vantagem além do preço”.

Entre as raridades encontradas na casinha verde no Centro, é possível encontrar alguns livros da coletânea do poeta Olavo Bilac, as obras Baú das Donzelas e as Divinas Damas, do memorialista cearense Marciano Lopes, a primeira edição de A Bagaceira, de José Américo de Almeida, de 1928 - obra considerada um marco inicial do regionalismo brasileiro -, além de Fortaleza de ontem e de hoje, de 1991, de Nirez.

Outros encontros

Bem pertinho dali, na rua Pedro I, 984, os filhos do seu Geraldo, Jarlison, 22, e Janderson Duarte, 23, dão continuidade à tradição da família. Eles transformaram o armarinho da mãe, Albaniza Duarte, 52, em outro sebo. É o Cantinho das Novidades, que conta com cerca de 10 mil obras de diversos estilos literários e que também reforma livros.

Na mesma rua, a loja azul com grafites de super-heróis, de número 583, abriga um acervo com 15 mil exemplares, entre livros e revistas.

Na Gibiteria Fanzine, do sr. Alzir Fernandes, a maioria do acervo é formada por quadrinhos, além de volumes regionais e clássicos da literatura inglesa, espanhola, francesa e alemã. Os quadrinhos de cowboy - da editora Ebal - das décadas de 60 e 70, e os gibis da Editora Bloch estão entres as raridades encontradas por lá.

Ainda no Centro, na rua Major Facundo, 954, pode-se deparar com o acervo do livreiro Vladimir Ilitch Guedes, 40, dono da Livraria Arte&Ciência. Entre as raridades, Memórias de um engrossador, de 1912, do benemérito do Ceará, o escritor Rodolfo Teófilo -que atualmente está na filial do Benfica. Bairro que também abriga, há três anos, o Brechó Literário Rimbaud, da estudante Déborah Maia, 22.

Segundo ela, 6 mil obras das mais diversas áreas do conhecimento estão à disposição para atender a demanda do público universitário predominante nas imediações.

Lá, também é possível encontrar algumas raridades literárias, como a antologia Poesias Eróticas Burlescas e Satíricas, publicada em 1969, de autoria do poeta português Manuel Bocage. O espaço também promove saraus abertos ao público todo último sábado do mês. Eventualmente, a programação pode ser alterada.

 

Serviço

 

 

Brechó Literário Rimbaud

Onde: rua Aratuba, 2142 –Benfica

Horários: de segunda às sextas-feiras, das 8h às 18h30min

Contatos: (85) 3281 9302

Quanto: a partir de R (Crédito, débito e caderneta)

Redes sociais: www.facebook.com/brechorimbaud/ @brecho.literario.rimbaud

Cantinho das Novidades

Onde: Rua Pedro I, 984 – Centro

Horários: segundas às sextas-feiras, de 8h às 17h45min / Sábados: 8h às 15 horas

Contato: (85) 3055.0665

Quanto: a partir de R

Gibiteria Fanzine

Onde: rua Pedro I, 583 – Centro

Horários: de segundas às sextas-feiras, de 8h às 17h30min / Sábados: 8h às 13h30 min

Contatos: 32523660 / 9 9140 8991(WhatsApp)

Quanto: livros a partir de R / Quadrinhos a partir de R (Crédito e débito)

Site: www.gibiteriafanzine.com.br

Redes sociais: www.facebook.com/gibiteriafanz / @fanzinegibiteria

Sebo do Geraldo

Onde: rua 24 de Maio – Centro

Horários: segundas às sextas-feiras, das 7h30 às 17h30 / Sábado: 7h30 às 13h

Contatos: (85) 3226 2557

Quanto: a partir de R

(crédito e débito)

 

Livraria Arte e Ciência  

Onde: rua Major Facundo, 954 - Centro / Avenida 13 de maio, 2400

Horários: segunda às sextas-feiras, de 8h30 a 18h / Sábado: 09h Às 13h

Contatos: (85) 3283 4422 / 9 8762 6851

Quanto: a partir de R (Crédito e débito)

Site: www.arteeeciencia.com.br

Redes sociais: www.facebook.com/arteeciencia / @arteeciencia 

 

BRUNA DAMASCENO | BRUNA DAMASCENO