PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Guilherme Arantes se apresenta amanhã, 18, no Sesc Fortaleza

Comemorando 40 anos de carreira, Guilherme Arantes se apresenta amanhã, 18, em show solo, no Sesc Fortaleza

01:30 | 17/03/2017
Guilherme Arantes, 67, leva para os show os grandes sucessos dos 40 anos de carreira DARYAN DORNELLES/DIVULGAÇÃO
Guilherme Arantes, 67, leva para os show os grandes sucessos dos 40 anos de carreira DARYAN DORNELLES/DIVULGAÇÃO

Há três anos, a carreira de Guilherme Arantes vem passando por uma reavaliação que, até então, era difícil de ser feita. Dois fatores ajudaram nesse esforço. O primeiro deles foi o lançamento do disco Condição Humana (2013), o primeiro de inéditas depois de sete anos. Em 2016, esse mesmo disco foi incluído numa caixa comemorativa reunindo toda a obra do paulistano que fez história nas rádios e programas de TV a partir dos anos 1980. Com esses dois lançamentos, foi possível comparar o presente e o passado do compositor que há tempos anuncia que “amanhã será um lindo dia, da mais louca alegria que se possa imaginar”.

Costurando tempos, canções e histórias, Guilherme Arantes chega amanhã , 18, a Fortaleza para participar do projeto Estacionamento da Música, que acontece no estacionamento do Sesc Fortaleza. A apresentação encerra uma turnê pelo Ceará que começou na quinta-feira, 16, no Crato, e passa hoje, 17, por Sobral. Celebrando os 40 anos de carreira solo, marcados pelo lançamento do álbum de estreia que trazia Meu Mundo e Nada mais e Cuide-se Bem, o show mistura as composições que o Brasil todo cantou junto com aquelas que só os fãs mais fieis conhecem.

Fazendo uma avaliação da própria discografia reunida no box, Guilherme Arantes avalia uma média de 90% de acertos. “O que me deixa bastante feliz e até surpreso ao re-ouvir muita coisa. Foi uma caixa muito caprichada, na hora certa e vem tendo uma venda bastante expressiva segundo a Sony. Foi muito bem recebida por todos os segmentos da imprensa, TV, rádio e principalmente os fãs de verdade, que souberam dar valor à qualidade dos masters, da parte gráfica, tudo costurado pelas histórias que são contadas em libreto na caixa e também no meu canal de vídeos”, comenta o músico.

A inclusão do disco Condição Humana na caixa, por outro lado, revela a vontade de Guilherme de mostrar que seu trabalho segue acontecendo. Para ele, o disco vinha para estabelecer uma sonoridade mais de acordo com os novos tempos. Por outro lado, ele não tem planos de fugir dos sucessos construídos ao longo dessas quatro décadas e segue cantando Planeta Água, Brincar de viver e tantas outras. “Não tenho problema algum com os sucessos antigos, até porque é tudo autoral, há uma pessoalidade em todas as músicas. Cada um constrói sua própria lenda e é por causa dela que o público tem interesse. No meu caso, é uma lenda bastante generosa. Não foram poucos os meus momentos criativos que marcaram vidas”, avalia sem falsa modéstia.

Sobre o disco novo, ele diz que conseguiu o que queria. “Foi um dos discos mais importantes da carreira, porque me recolocou na pauta da crítica, várias músicas conseguiram ser executadas e houve um trabalho bom em novas mídias. Me trouxe prestígio e reconhecimento. Não dá pra reclamar”, explica, antes de olhar para o passado e apontar o disco que mais lhe deu orgulho de fazer. “Acho que o primeiro disco, o de 1976, é como todos os primeiros discos dos meus colegas: uma emoção especial, porque abre uma trajetória a partir de uma vida pregressa que era apenas de sonhos, anseios e uma ‘carreira’, uma escolha de vida, ali, passa a ser realidade”.

Hoje com 63 anos, morando há 17 anos na Bahia, onde cuida do estúdio Coaxo do Sapo, Guilherme Arantes observa as mudanças que ocorreram na indústria fonográfica desde que entrou para este mercado como membro da banda Moto-Perpétuo, que deixou um único registro de 1974. “Há uma questão de público e de finalidade para a música popular. O que importa hoje é a coisa funcionar no contexto em que a música se propõe ao entretenimento. No tempo da minha adolescência, a gente estava se reunindo para chorar junto, literalmente. Havia motivações existenciais e ideológicas. Hoje, é o que chamamos de ‘entertainment’ que se tornou uma motivação primordial”.

 

SERVIÇO

 

Show Guilherme Arantes

Quando: amanhã, 18, às 21 horas

Onde: Sesc Fortaleza (Rua Clarindo de Queiroz, 1740 – Centro)

Quanto: R$ 20 (comerciário), R$ 30 (conveniado), R$ 40 (usuário)

Telefone: 0800 275 5250

 

MARCOS SAMPAIO