PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Ciro confirma candidatura e tenta polarizar com Doria: "Farsante"

Classificando o gestor tucano como "farsante", Ciro disse que a gestão municipal de São Paulo vive hoje de "factoides" e "papo furado". Bem avaliado, o prefeito é o tucano mais cotado para disputar pela Presidência

01:30 | 20/03/2017
Convenção nacional do PDT neste sábado confirmou Ciro como candidato do partido à Presidência DIVULGAÇÃO/PDT
Convenção nacional do PDT neste sábado confirmou Ciro como candidato do partido à Presidência DIVULGAÇÃO/PDT

Pré-candidato à Presidência da República em 2018, o ex-ministro Ciro Gomes afirmou neste sábado, 18, que prefere mil vezes o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) como presidente do Brasil do que o atual prefeito de São Paulo, João Dória (PSDB), a quem chamou de “farsante”. Na avaliação de Ciro, o gestor tucano tem feito um governo de “factoide”, de “papo furado”.


“Prefiro mil vezes, discordando de tudo como eu discordo do Bolsonaro, um cara como ele do que um farsante como o Dória. Se apresentar como ‘não político’ tendo sido chefe da Embratur no governo Sarney e tendo enriquecido bastante fortemente com dinheiro público dos governos do PSDB. Você tem obrigação de informar os seus leitores com isso”, afirmou o ex-ministro, em entrevista após convenção nacional do PDT.


Ciro disse sentir “vergonha” de ter Dória como prefeito de São Paulo. “A gente, numa eleição majoritária, vale pelo que é e pelo que nega. Então, se você acha possível fazer um cara como o Dória presidente do Brasil, vote nele. Agora eu, francamente, tenho vergonha”, disse Ciro, que foi confirmado candidato à Presidência em convenção do PDT neste sábado.


“Eu, por exemplo, sei o que está sendo feito em Fortaleza em matéria de escola, de qualificação da gestão da saúde, em matéria de políticas públicas gerais para a comunidade. E em São Paulo é só factoide, só papo furado”, disse o pedetista, chamando a imprensa de “descuidada” por não informar os leitores sobre Dória.


O nome do prefeito de São Paulo passou a ser cogitado para ser o candidato do PSDB à Presidência em 2018 após pesquisas revelarem boa avaliação da sua gestão. Além disso, há tese de que, avanço da Operação Lava Jato sobre outros pré-candidatos tucanos, como o senador Aécio Neves (MG), Dória seria o nome do partido com mais chances de ser eleito.


Michel Temer

Na entrevista, Ciro também disparou contra o presidente Michel Temer (PMDB), a quem chamou de “canalha”. “Esse governo está propondo tudo contra o povo. E eles querem isso aí. Porque? Porque está no meio da Lava Jato. Esse é um governo de canalhas, isso afirmo categoricamente, chefiado por um canalha, um governo de canalha, de ladrões, de marginais”.

 

Para Ciro, o governo Temer não tem legitimidade para tratar reforma estrutural no País. Na convenção deste sábado, o PDT decidiu fechar questão contra as reformas da previdência e trabalhista.


Ciro disse ser favorável a sistema eleitoral de lista fechada e financiamento público de campanha, mas afirmou ser contra mudanças neste momento, em meio à Lava Jato. (Agência Estado)