PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Megaevento para a canonização dos videntes com celebração em português

01:30 | 12/05/2017

Ponto alto da celebração de amanhã, a canonização dos santinhos portugueses, Francisco e Jacinta, é o terceiro rito desta natureza feito pelo papa Francisco fora do Vaticano. Segundo L’Osservatore Romano, em 2015 o papa tornou santo no Sri Lanka o missionário José Vaz e, nos Estados Unidos, o missionário catalão Junípero Serra. Francisco vem em visita-relâmpago, chegou hoje e já vai embora amanhã, depois do almoço. Dizem os assessores, ele dormirá cedo e acordará com os galos para um serão habitual de pelo menos duas horas de orações. O papa terá ainda encontro com Antônio Costa, primeiro-ministro de Portugal, e, na sequência, visita e preces ao túmulo dos pastorinhos, na Basílica do Rosário. Tudo cronometrado porque, segundo o programa, às dez da manhã, horário de Lisboa, ele sobe ao altar para dar início às celebrações.

Pra quem deseja acompanhar de casa, no Brasil, o rito de canonização e a missa do papa, bom lembrar a diferença de fuso horário entre os dois países. Mesmo prever acordar mais cedo, pois quando o pontífice subir ao altar serão ainda 6 horas em Fortaleza. A facilidade para o público lusófono é que a missa e o rito de canonização serão celebrados em português, de acordo com o Santuário. O papa, que veio a Portugal trazendo seus próprios paramentos, deve ter também, imagina-se, treinado suas falas na língua de Camões. Vale dizer, exceção só para a oração dos fiéis que, como é tradição nestas ocasiões, será rezada em seis línguas: português, italiano, inglês, francês, polaco e árabe.

A celebração vai ser filmada, fotografada e relatada por dois mil jornalistas que passaram por um rigoroso pente-fino por parte dos serviços de segurança e controle de Portugal. Helicópteros vão sobrevoar o local. No novo presbítero, um altar novo em folha no pátio do Santuário, deverão estar cerca de 140 pessoas, entre cardeais, bispos, arcebispos e membros leigos do séquito papal. O papa faz, então, a saudação inicial, ouve-se o cântico Veni Creator Spiritus e o rito de canonização pode começar. O programa prevê que um grupo de crianças entre, trazendo os dois relicários em forma de candeias. Dentro, um pedacinho do osso da costela de Francisco e uma mecha de cabelo de Jacinta. Os relicários serão postos à direita do altar, junto da imagem de Nossa Senhora de Fátima.

Segundo o protocolo, em três momentos sucessivos, a postuladora da causa da canonização dos dois pastorinhos, a irmã Ângela Coelho, e o diretor do Serviço de Peregrinos do Santuário, Pedro Valinho, pedirão ao papa que os beatos sejam inscritos no Álbum dos Santos. A primeira cerimônia do gênero em Portugal promete surpreender, pelo tamanho. Para se ter uma ideia, estão previstos 400 pontos de distribuição de comunhão.

Para os que não conseguirem ver a missa, mesmo na ponta dos pés, dada a enchente esperada, o Santuário previu telões em vários pontos de Fátima. É na procissão do adeus que os lencinhos brancos, vendidos nas lojas da cidade, deverão se agitar. Depois da missa, o papa se despede do público, mas ainda vai almoçar com os bispos portugueses, antes de tomar um avião da TAP, segundo divulgado pelo Santuário, e voltar a Roma. A partir daí, o sistema de segurança, montado para o dia histórico no Santuário, deve, então, relaxar um pouco. Mas o controle nas fronteiras do país devido ao enorme afluxo de gente, permanece até domingo.

AMANHÃ NO O POVO: Caderno especial, hotsite, curta de animação e pôster de Nossa Senhora de Fátima