PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Bom senso como parâmetro

17:00 | 22/07/2017

Em Fortaleza, o estilo mais casual no vestir é mais comum em agências de publicidade. O diretor de criação da Bolero Comunicação, Daniel Moreira, explicou que o dress code é liberado há muitos anos na Bolero para os setores mais internos. Mas também não é todo mundo que usa e nem o tempo todo.

“Não tem uma regra escrita, mas a gente conta com o bom senso. Tem momentos em que a ocasião pede mais formalidade e é inegável que uma boa apresentação influencia vários aspectos”, afirmou.

Em empresas de tecnologia, a reformulação do dress code vem despontando também. Na TOTVS, por exemplo, além das bermudas, foi liberado o uso de camisetas polo, legging, rasteirinhas, sneakers e tênis neutros, como sapatênis e all star para todos os colaboradores. A diretora de RH da TOTVS, Rita Pellegrino, explica que um dos parâmetros utilizados na construção do novo código é o de se vestir de acordo com o perfil do cliente nos dias de reuniões externas ou visitas.%u200B

“A quebra de paradigma do dress code foi importante para adequar o ambiente de trabalho ao perfil dos funcionários que, em sua maioria, são jovens. Nosso ambiente hoje é mais descontraído, informal e menos hierarquizado. O dress code contribuiu para isso, assim como para o aumento da produtividade e até do senso de orgulho e pertencimento com relação à empresa”.

Na empresa de tecnologia, IVIA, que possui mais de 500 funcionários em Fortaleza, Natal e Recife, roupas casuais como jeans, tênis e camisas de malha são liberados normalmente. Mas foi criado um dia especialmente para o uso de trajes mais informais como bermudas e chinelos. É o “casual day”, realizado na última sexta-feira do mês, ocasião em que é comemorado também os aniversariantes do período.

O diretor de operações da empresa, Márcio Braga, foi um dos primeiros a dar o exemplo. “Acredito que a roupa, tal como a capa do celular, o cabelo, a tatuagem e os adesivos do notebook, dizem respeito à individualidade do funcionário. Acreditamos que quanto mais a empresa respeitar e compreender essa individualidade, mais a relação de respeito mútuo se fortalece, favorecendo a inovação, a criatividade e a produtividade”.

Ele ressalva, no entanto, que quando os funcionários trabalham nas instalações dos clientes, devem seguir o dress code daquela empresa.