PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Centro Fashion deve movimentar R$ 30 mi na primeira semana

Inaugurado ontem, a expectativa do Centro Fashion é atingir R$ 60 milhões semanais após a fase de maturação

01:30 | 27/04/2017
O Centro Fashion foi aberto ao público na manhã de ontem; cerca de 3 mil boxes já estão funcionando FOTO EVILÁZIO BEZERRA
O Centro Fashion foi aberto ao público na manhã de ontem; cerca de 3 mil boxes já estão funcionando FOTO EVILÁZIO BEZERRA

O primeiro dia de funcionamento do Centro Fashion Fortaleza, novo centro comercial de moda popular inaugurado ontem, atraiu muitos consumidores locais e de fora do Estado. De acordo com o diretor do empreendimento, André Pontes, mais de 30 ônibus com comerciantes atacadistas passaram pelo espaço ao longo do dia. A expectativa é de que nesta primeira semana o volume de negócios fechados alcance R$ 30 milhões. Esse número deve chegar a R$ 60 milhões semanais e R$ 2,5 bilhões anuais após a fase de maturação.

O Centro Fashion foi aberto ao público na manhã de ontem; cerca de 3 mil boxes já estão funcionando FOTO EVILÁZIO BEZERRA
O Centro Fashion foi aberto ao público na manhã de ontem; cerca de 3 mil boxes já estão funcionando FOTO EVILÁZIO BEZERRA

“A gente está muito satisfeito com o empreendimento. O Ceará vinha perdendo força para outros mercados por conta da falta de estrutura, muitos ônibus estavam deixando de vir para cá, mas a gente acredita que o Centro Fashion pode ser uma oportunidade de mudar isso, trazer este público de volta”, afirmou Pontes.

Dentre os principais estados emissores de consumidores ontem, estavam Rio Grande do Norte, Pará, Amazonas e Piauí. A empresária Estephanie Caroline Diniz, 23, veio de Natal especialmente para o lançamento. “Estou gostando bastante do que estou vendo. Ficou muito melhor do que na José Avelino porque está tudo em um canto só, fica mais fácil de andar, dá até para empurrar carrinho aqui. Lá tinha mais tumulto, aqui é mais confortável”.

A piauiense Jucicleide Queiroz, 27, diz que os principais atrativos das confecções do Estado são a qualidade e o preço. “Achei até que ia estar mais caro aqui, mas nem está, que bom. E quando abrirem todos os boxes vai ficar ainda melhor”, disse a comerciante, que compra uma média de R$ 1.500 em peças a cada duas semanas.

O fluxo de visitantes e feirantes foi crescendo ao longo do dia. Ontem, mesmo após abertura ao público, ao meio-dia, parte dos feirantes ainda organizava os boxes. O diretor do Centro Fashion, Francisco Philomeno Neto, explicou que a decisão do horário de funcionamento ficava a cargo de cada feirante, mas que o ápice de movimentação deveria ser alcançado na madrugada. A Feira vai funcionar inicialmente das 5h da manhã das quartas-feiras ao meio-dia das quintas-feiras e de 5 horas da manhã dos sábados ao meio-dia dos domingos. É o mesmo horário em que funciona a Feira da José Avelino.

Dos 5 mil boxes previstos nesta primeira etapa do Complexo, apenas 500 ainda faltam ser comercializados, com preços entre R$ 3,2 mil e R$ 25,1 mil, dependendo da área e localização. O complexo possui ainda 90 lojas, 36 megalojas e uma praça de alimentação com 24 lanchonetes e dois restaurantes, com possibilidade de ampliação.

Lyara Holanda, 33, comprou um boxe na fase de pré-lançamento do empreendimento, há dois anos, por R$ 14 mil. Depois disso, fez mais alguns investimentos para decorar e está confiante que vai conseguir ter o retorno em breve. “Achei o empreendimento interessante e tem tudo para dar certo. Aqui as pessoas podem comprar com mais segurança e conforto”.

Dos feirantes do empreendimento, em torno de 90% são provenientes da José Avelino. Antônio Cardoso, 43, é um deles. “Eu vim para cá para me garantir logo, caso o Prefeito (Roberto Cláudio) decida mesmo tirar a gente de lá. Mas acho até que aqui ficou melhor”.

Saiba mais

Em 17 de fevereiro, o prefeito Roberto Cláudio afirmou que a Feira da José Avelino só seguirá até o dia das mães (14/5). Depois dessa data, segundo ele, o comércio informal será retirado da via pública.

A Prefeitura também terá de atuar para coibir o funcionamento dos galpões irregulares nos arredores, que abrigam feirantes. A recomendação foi emitida na última terça-feira pelo Ministério Público, que deve ser seguida pelo município, conforme informou a Secretaria do Centro.

IRNA CAVALCANTE