PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Camilo quer manter controle sobre o Pecém

Governador assina amanhã memorando com Porto de Roterdã para sociedade no Complexo do Pecém

01:30 | 21/03/2017

René Van de Plas, diretor da Port of Rotterdam, apresenta configuração do Porto à delegação de secretários de Estado e empresários do Ceará JOCÉLIO LEAL
René Van de Plas, diretor da Port of Rotterdam, apresenta configuração do Porto à delegação de secretários de Estado e empresários do Ceará JOCÉLIO LEAL
 

Jocélio Leal

ENVIADO A ROTERDÃ

leal@opovo.com.br

O governador Camilo Santana (PT) não pretende abrir mão do controle acionário do Complexo Industrial e Portuário do Pecém (Cipp) na parceria que começa a se formalizada amanhã com a assinatura de um memorando de entendimentos entre a Cearáportos – a estatal cearense que administra o Porto – e a Port of Rotterdam, a gestora do porto holandês.

“A lógica é não olhar separadamente para cada segmento do Complexo. ZPE (Zona de Processamento de Exportações) separada de área industrial e porto não. O olhar é para o complexo como um todo”, afirmou. A companhia holandesa já presta consultoria para a Cearáportos desde 2015 e deixou claro que o interesse pelo Ceará é mediante a garantia de unificação da gestão do Cipp.

Por esta razão, o governador anunciou que irá atender a recomendação e definir uma empresa responsável pela área. Tanto poderá ser a Cearáportos com poderes ampliados, como poderá ser criada uma nova estatal, a Cipp S/A. Camilo quer tudo definido ainda este ano. A urgência é dele e dos possíveis futuros sócios. Os holandeses não querem entrar 2018 com isto pendente.

A possível nova estatal unificaria a gestão do Complexo, a principal condição da empresa holandesa para entrar no Pecém, um clamor histórico dos empreendedores da área.

A dispersão de responsabilidades comprometeria a eficiência do Cipp. Hoje, além da Cearáportos (vinculada à Secretaria da Infraestrutura, Seinfra), têm o Pecém na alçada duas vinculadas da Secretaria do Desenvolvimento Econômico (SDE) – ZPE e Agência do Desenvolvimento Econômico do Ceará (Adece). “Para o investidor é mesmo muito confuso”, reconhece o presidente da Ceará Portos, Danilo Serpa.

O secretário do Planejamento Maia Júnior considera amanhã (quarta 22) um marco. É a partir do memorando que ambos começam a elaborar estudos de Valuation (calcular quanto vale o negócio), o tamanho do investimento e a viabilidade econômica.

O POVO apurou que a Port of Rotterdam já contratou a Deloitte como consultoria responsável pela avaliação dos ativos do Governo cearense no Pecém – terrenos e porto. O Governo cearense fará o mesmo. Vai escolher dentre uma das chamadas Big Four – Deloitte (já com a holandesa), EY, PwC ou KPMG - ou procurar o IFC, braço privado do Banco Mundial.

Para Camilo, a marca de Roterdã é importante pela marca, experiência e credibilidade no ramo. “Não tenho dúvidas de que irá abrir as portas”. Ele avalia que será importante também para a holandesa por conta da localização. O governador considera que o parceiro privado será o responsável pelos investimentos na infraestrutura do Porto, e não mais o Tesouro estadual.

No fim da semana passada, a propósito, houve impasse entre a Secretaria da Infraestrutura e o consórcio contratado para a obra de ampliação. Alegando falta de pagamento, o consórcio parou os serviços. O secretario Lúcio Gomes, que integra a delegação cearense na Holanda, minimizou o episódio e declarou que o impasse foi negociado e as obras voltaram ao ritmo normal. Segundo ele, mediante promessa de solução até o fim do mês.

O porto do qual Pecém se aproxima e o maior da Europa em movimentação de carga e é conhecido pela eficiência. Tanto que cobra bem por ela. Roterdã disputa mercado com outros cerca de 10 players da Europa, mas não briga no preço. Segundo Duna, aposta na qualidade dos serviços e nos acessos que oferece. “A conta deve ser feita no custo global de logística”, diz.

Estudos elaborados pela Port of Rotterdam apontam a operação da Transnordestina como essencial para o crescimento do Complexo do Pecém.

Bastidores

A delegação cearense terá nesta terça um dia mais comercial. Será o Brazil Netwok Day. Empresários cearenses vão abrir o cardápio para empresários da Holanda. Para este ano, a Embaixada do Brasil pediu foco em turismo e agronegócio. Mas não há nenhum representante do agronegócio cearense na missão. Não foi por falta de convite.

A embaixadora do Brasil em Haia, Regina Dunlop, e o cônsul-geral Cezar Amaral, receberam Camilo ontem. Só depois ele foi ao encontro da delegação.

As caminhadas têm sido trocadas por táxis e ônibus. A chuva fina e o vento fazem desistir de andar. A temperatura máxima para hoje será de 8o C e a mínima 1ºC.

Saiba mais

Toda a área do Cipp é formada por 13 mil hectares, segundo o secretário Lúcio Gomes.

O porto do Pecém tem calado respeitável, cerca de 16 metros de calado. Roterdã tem 24 metros.

Um navio é um equipamento tridimensional

 

comprimento, largura e profundidade. Muitos portos no Brasil têm muitas restrições. E isso implica limitar a quantidade de contêineres. Por exemplo, Santos tem 12 metros de calado. Caso tivesse 13, poderia movimentar 700 contêineres a mais.