PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Número de homicídios mais que duplica em Fortaleza

Último mês de julho registrou 475 assassinatos no Estado, 86,3% a mais que o mesmo período do ano passado. A média é superior a 15 homicídios por dia. Em Fortaleza, o aumento foi de 114%

01:30 | 12/08/2017

 

Os números de homicídios cresceram pelo quinto mês consecutivo no Ceará. Em julho foram registrados 475 Crimes Violentos Letais e Intencionais (CVLIs) no Estado, o que representou no último mês uma média superior a 15 assassinatos por dia. Desde março, o número de casos apresenta ascensão em relação ao mês correspondente de 2016.

 

Os dados divulgados ontem pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) têm ainda outra marca negativa. Pela terceira vez seguida, o Ceará tem recorde de homicídios em um mês, com os 475 assassinatos de julho tendo um caso a mais que junho, que detinha a marca anterior. Nunca na história houve registro de tantos homicídios em um só mês no Estado.

O ano de 2017 no Ceará caminha a passos largos para ser o mais violento da história. Até julho, foram registrados 2.774 homicídios no Estado. Isso representa um valor 38,8% superior aos 1.998 CVLIs que aconteceram em igual período em 2016. Em comparação com 2014 — que tem o maior número de casos até hoje — o aumento é de 4,5%. Naquele ano, os sete primeiros meses tiveram 2.655 homicídios.

&nsbp;

Fortaleza e Região Metropolitana registraram os aumentos mais impactantes. Somente a Capital teve 184 homicídios, enquanto as cidades que a cercam registraram outros 135. Em relação a julho do ano passado, as elevações dos casos foram de 114% e 164,7%, respectivamente.

“Constatamos um mês difícil, pesado. Um recrudescimento dos crimes de homicídio. Vivemos uma situação de ressonância de um contexto nacional, mas isso não nos coloca em uma situação mais confortável”, reconheceu a vice-governadora e coordenadora do Ceará Pacífico, Izolda Cela.

Para o titular da SSPDS, André Costa, os dados do Ceará não estão isolados da conjuntura do País. “Houve uma crise no sistema penitenciário que tem refletido nas ruas, em vários estados. Estamos montando uma comissão, com uma delegada com experiência na área de homicídios presidindo, para podermos ver caso a caso e poder dar essa resposta. E não ficar aqui chutando sobre as causas”, prometeu.

 

Roubos e furtos

Os dados de roubos — ou Crimes Violentos contra o Patrimônio (CVPs) — também tiveram alta. No último mês foram 6.778 crimes dessa natureza, 23,3% a mais que julho do ano passado. No acumulado do ano, 2017 tem um ligeiro aumento de 0,5% em relação ao mesmo período de 2016.

 

Os furtos tiveram um aumento discreto de 0,9%. Em 2017 foram 34.424 casos contra 34.108 do ano passado. No entanto, julho deste ano teve 19,3% a mais de furtos que o sétimo mês de 2016.

JOãO MARCELO SENA