PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Dandara dos Santos foi alvo de linchamento após boato, diz Polícia

Depoimentos apontam que Dandara foi vítima de justiçamento por falsa motivação. Magistrado alerta para envolvimento de traficantes

01:30 | 10/03/2017
Dandara dos Santos, de 42 anos, foi assassinada no dia 15 de fevereiro no Bom Jardim
Dandara dos Santos, de 42 anos, foi assassinada no dia 15 de fevereiro no Bom Jardim
 

“Pega ladrão”. O grito teria sido mais um agravante que motivou a morte brutal da travesti Dandara dos Santos, caracterizada pela delegada Arlete Silveira como crime de “preconceito, ódio e atordoamento”. Com a apreensão de um adolescente de 17 anos e a prisão de Rafael Alves da Silva Paiva, 21, a Polícia Civil colheu mais depoimentos e obteve a informação de que moradores seguiram falso alerta de roubo. Esse boato teria feito com que pessoas se reunissem para agredir e humilhar Dandara.

Conforme a delegada, os suspeitos que prestaram depoimentos afirmaram que Dandara teria praticado roubos e furtos no bairro. Porém, conforme a delegada, a informação é falsa e teria servido para incitar a violência.

&nsbp;

“A vítima não tinha passagem pela Polícia, não tinha antecedente, era querida na comunidade. O que acontece é um atordoamento. Uma pessoa chega e diz ‘pega ladrão’. As pessoas começam a correr, entram no tumulto e começam a agredir a vítima”, descreve Arlete. As informações foram divulgadas ontem.

A pessoa responsável por gritar “pega ladrão” contra Dandara foi identificada e segue foragida.

Transfobia

A delegada explica que as linhas de investigação continuam, pois as condutas dos suspeitos serão individualizadas. Para Arlete Silveira, é clara a conotação transfóbica na ação, pois a todo o momento a vítima é humilhada pela condição de travesti. “No vídeo é claro. O preconceito está ali. O preconceito, o ódio, o atordoamento”.

 

Há três adultos presos pelo crime e quatro adolescentes apreendidos. Há ainda três mandados de prisão em aberto. Segundo o titular do 32º Distrito Policial, delegado Bruno Ronchi, além da pessoa que iniciou o boato, a Polícia identificou mais três supostos envolvidos que estão foragidos. Porém, os depoimentos têm apontado que mais gente pode ter tido participação.

O crime aconteceu em 15 de fevereiro e foi registrado em vídeo que se tornou público há uma semana. Nas imagens, Dandara é alvo de chutes, tapas, golpes com madeira e é alvo de insultos. “A ‘mundiça’ tá de calcinha e tudo”, zomba a pessoa que filma. Ao final, ela é jogada em um carrinho de mão. A filmagem não mostra, mas a perícia revelou que ela ainda foi apedrejada e executada a tiros.

Hoje, às 9 horas, haverá manifestação contra a LGBTfobia na praça Luíza Távora, na Aldeota.

Saiba maisPrisões e apreensõesRafael foi preso pela Polícia Militar, que cumpriu mandado de prisão ontem, em Maracanaú. Ele é o proprietário do carrinho de mão. No vídeo, aparece ao lado enquanto Dandara é colocada no carrinho. O delegado Bruno Ronchi diz que Rafael capinava nas proximidades quando viu a movimentação e foi até o local.  Segundo a delegada Arlete, a equipe da Delegacia Criança e do Adolescente (DCA) foi até a residência de familiares do adolescente de 17 anos, que se comprometeram a levar o jovem até a Polícia Civil. Ele foi à DCA ontem com advogado e prestou esclarecimentos antes de ser cumprida a internação.Quatro adolescentes estão apreendidos e três adultos presos no 12º DP. 

JéSSIKA SISNANDO