PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Dandara dos Santos: a travesti prestativa, alegre e cheia de amigos

Com 42 anos, Dandara dos Santos era conhecida no bairro onde morava, o Conjunto Ceará, pelo bom humor e prestatividade. Assassinada brutalmente em fevereiro, deixou lembranças alegres em quem a conhecia

01:30 | 07/03/2017

Francisca Ferreira de Vasconcelos, 75, mostra fotos 3x4 da filha Dandara. A família mora no Conjunto Ceará
Francisca Ferreira de Vasconcelos, 75, mostra fotos 3x4 da filha Dandara. A família mora no Conjunto Ceará

Quando subiu na moto que a levaria ao local onde o vídeo de seu espancamento foi feito, Dandara dos Santos deu tchau e sorriu para quem estava ao redor. Era 15 de fevereiro último. Naquela rua, no Conjunto Ceará, ela cresceu, fez amigos, distribuiu favores, cuidou da mãe, dançou... Dandara era querida e alegre. Até quem nem a conhecia direito sabia da fama de educada e brincalhona.

 

“Ela confiava nas pessoas. Nunca achou que alguém era capaz de fazer isso. Mesmo já tendo ouvido falar de outros casos de agressão a homossexuais”, conta Marcela Mota, 30, que, com outros amigos, foi à casa da família da Dandara ontem para saber se precisavam de alguma coisa. As lembranças compartilhadas na calçada foram de uma pessoa que adorava dançar, não sabia dizer não a ninguém, adorava crianças.

&nsbp;

“No dia em que ela morreu, a vi no supermercado comprando pão. Ela ia todas as manhãs, ajudando um senhor ali debaixo”, apontou uma vizinha, que não quis se identificar. A rotina, na rua de calçamento, era de beber café e fumar cigarro. Dentro de casa, o canto dela era uma rede em frente à televisão de imagem ruim.

 

Família

Dandara tinha 42 anos. De acordo com familiares e amigos, viu-se mulher aos 18 e nunca mais deixou de vestir o que queria: a blusinha, o short curto, a calcinha. E sempre foi vítima da transfobia (discriminação a travestis, transexuais e transgêneros). “Ele foi muito humilhado nessa vida. Eu sabia só de ver a carinha. Jogava verde pra saber o que tinha acontecido e ele sempre caía”, lembrou Francisca Ferreira de Vasconcelos, 75, mãe de Dandara. Para ela, a filha ainda se chamava Clenilson, nome com o qual foi registrada ao nascer.

 

Dandara foi para São Paulo por volta dos 25 anos e lá morou por uma década. Voltou a Fortaleza e descobriu ter HIV. Bebia, fumava, mas a família não tem conhecimento se usava drogas, ou pelo menos nunca apareceu em casa sob seus efeitos. “Ele tinha muita amizade e ganhava muitas roupas. Vivia de vender o que ganhava”, citou a mãe. O sonho era de montar um salão de beleza e comprar um carro.


Dona Francisca disse que os amigos pagaram o caixão, o ônibus que levou as pessoas ao cemitério e as fotos que ficaram em cima do caixão, que não pôde ficar aberto. “Pra mim, vingança é só Deus. Se Ele achar que a pessoa merece, Ele se vinga por ele e por mim”. E diz, sobre o vídeo que ganhou o mundo: “quando as pessoas viram ele daquele jeito, ele já estava em paz”.


Saiba mais

Na próxima sexta-feira, 10, haverá ato público na Praça Luiza Távora, na Aldeota.

A concentração será às 9 horas e o ato exigirá a criação de políticas públicas voltadas para a população LGBT no Ceará.

Hoje, uma reunião entre a Secretaria da Segurança e a Coordenadoria Especial de Políticas Públicas para LGBTs deverá desenvolver um plano de proteção para as minorias.

SARA OLIVEIRA