PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Adolescentes em abrigos serão capacitados para trabalho

Medida une poder público e setor privado na inserção de jovens no mercado. Hoje, 158 estão aptos a participar

01:30 | 21/03/2017


Vice-governadora Izolda Cela representou o Estado na assinatura
Vice-governadora Izolda Cela representou o Estado na assinatura

Adolescentes acolhidos em abrigos do Ceará poderão participar de cursos profissionalizantes e atuar como jovens aprendizes em empresas do Estado, após acordo de cooperação firmado entre o setor privado e o Governo. A medida foi oficializada na tarde de ontem, com a mediação do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE). Atualmente, 158 jovens estão aptos a participar das capacitações.

A ideia da parceria é garantir a autonomia desses adolescentes quando se encerrar o período de acolhimentos, após os 18 anos de idade.

No primeiro momento, a proposta é começar com os jovens que estão em abrigos mantidos pelo Governo, em fase de teste. Em seguida, outros adolescentes com idade superior a 14 anos poderão participar das capacitações, sejam eles de abrigos da Prefeitura de Fortaleza ou de entidades filantrópicas. Ao todo, 15 instituições poderão ter jovens nesse programa.

“Esses jovens precisam de oportunidades diferenciadas, porque, quando chegam à maioridade, eles perdem a condição de permanecer no abrigo”, explicou a vice-governadora Izolda Cela, que assinou o acordo. “Nesse caso, é preciso uma contrapartida mais forte do Estado para que eles possam construir uma oportunidade melhor”, completou.

Capacitação

Os cursos serão oferecidos pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). A Federação das Indústrias do Ceará (Fiec) também participa do acordo. A proposta é identificar empresas que estejam interessadas em acomodar os adolescentes como jovens aprendizes, após a capacitação.

“O que tínhamos antes eram projetos pontuais. A nossa ideia é conversar com os empresários para que essa pactuação seja permanente”, avaliou a Mônica Gondim, coordenadora de Proteção Social Especial do Governo do Estado.

RôMULO COSTA