PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

O POVO integra projeto nacional contra notícias falsas

O jornal é o único veículo nordestino no Projeto Credibilidade, consórcio de mídia formado por 14 entidades com o objetivo de promover um jornalismo de qualidade e distinguir informação confiável de ruído

01:30 | 30/01/2017
O POVO é o único veículo nordestino parte do Projeto Credibilidade, que busca a promoção de jornalismo digital confiável e de qualidade FABIO LIMA
O POVO é o único veículo nordestino parte do Projeto Credibilidade, que busca a promoção de jornalismo digital confiável e de qualidade FABIO LIMA

Jáder Santana

jader.santana@opovo.com.br

Ao lado de 13 entidades brasileiras, entre jornais, revistas e agências de checagem, O POVO passa a integrar o Projeto Credibilidade, consórcio de mídia que busca refletir sobre a fragmentação da narrativa noticiosa no ambiente virtual e desenvolver ferramentas e técnicas que identifiquem e promovam um jornalismo digital confiável e de qualidade. A iniciativa se inspira no The Trust Project, financiado pelo Google.


Único veículo nordestino a participar do projeto, O POVO figura ao lado da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), das agências de checagem Lupa e Aos Fatos, dos jornais Folha de São Paulo, Jornal da Cidade, Jornal de Jundiaí, Nexo, Estadão, O Globo e Zero Hora, das revistas Nova Escola e Piauí e do portal UOL. O consórcio estabeleceu uma série de atividades — entre reuniões, testes e palestras — que devem ajudar no processo de distinção entre informação de qualidade e ruído.


Realizado a partir da parceria entre o Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo (Projor) e o Programa de Pós-Graduação em Mídia e Tecnologia (PPGMiT) da Unesp, o Projeto Credibilidade é coordenado pelos jornalistas Angela Pimenta e Francisco Rolfsen Belda, que atribuem o cenário de crise da verdade a duas causas.


“A primeira se relaciona com o fato de que grande parte das notícias migrou para as timelines das redes sociais, e o conteúdo sofre um processo de fragmentação noticiosa, que afeta não apenas a compreensão da notícia, como também sua credibilidade”, explica Angela. A segunda causa, como explica Belda, tem a ver com a produção deliberada de notícias falsas na rede, “agravada por um ambiente político altamente polarizado, como nos Estados Unidos, desde a última campanha presidencial”.


Entre junho de 2016 e este mês, o Projeto Credibilidade aplicou com profissionais da comunicação uma pesquisa empírica cujo objetivo era identificar conjuntos comuns de valores e características atribuídas ao campo do jornalismo. O levantamento apontou, por exemplo, que 42,5% dos jornalistas acreditam que a profissão representa preocupações e dá voz a todas as pessoas. Outros 49,8% acreditam que o jornalismo oferece uma narrativa verdadeira dos eventos num contexto que explica os seus significados.


“Garantir a presença de um ombudsman, ter um conselho de leitores ativo e proporcionar uma série de treinamentos e debates dentro da Redação são alguns dos recursos utilizados por O POVO para reforçar o compromisso com a qualidade e com a credibilidade do jornalismo que fazemos”, afirma Ana Naddaf, diretora executiva da Redação. Ana também comentou o papel do jornal no projeto.


O POVO publicou, no dia 18 do último mês de dezembro, uma reportagem sobre a pós-verdade e a disseminação de informações falsas nas redes sociais. A apuração foi realizada com um time de especialistas, como o jornalista Pedro Burgos, editor do site The Marshall Project, de Nova York, e Tai Nalon, diretora executiva do Aos Fatos. “A maneira de consumir notícias mudou, mas não as premissas para construir tal conteúdo”, conclui Naddaf.

 

Pela credibilidade


Ações e projetos que O POVO mantém visando a credibilidade e qualidade:


Ombudsman

Ao lado da Folha de São Paulo, O POVO é o único jornal brasileiro a manter o profissional encarregado de estabelecer um canal de comunicação direta com os leitores. A jornalista Tânia Alves desempenha a função.

Conselho de leitores

Anualmente, 16 conselheiros são nomeados em grupo heterogêneo para sugerir, opinar, criticar e contribuir para a construção de um jornalismo mais plural e consciente.

Conselho editorial

São 17 conselheiros fixos que acompanham a produção do jornal e comentam questões editoriais, de coberturas e especiais.

 

ANJ

O POVO é membro da Associação Nacional de Jornais, entidade que tem o objetivo de defender a liberdade de expressão, do pensamento e da propaganda. A jornalista Luciana Dummar é uma das vice-presidentes (2016-2018).

 

Prêmios

Profissionais de O POVO aparecem no ranking dos jornalistas mais premiados da história no Nordeste. Demitri Túlio, editor e repórter especial, ocupa a 1ª posição.

Carta de princípios

O POVO tem elaborada e divulgada em seu portal uma carta que reflete sua linha editorial. São princípios que guiam a casa: liberdade, imparcialidade e lealdade, democracia, justiça, ética, política e ideologia, cultura e educação, regionalidade e modernidade.

 

Saiba mais


“Pós-verdade”


Escolhida pela Oxford Dictionaries como a palavra representativa de 2016, a “pós-verdade” se refere às circunstâncias nas quais fatos objetivos tem menos influência do que os apelos à emoção e a crenças pessoais. Em outras palavras, tem a ver com a proliferação de notícias falsas no ambiente virtual.


Nos três últimos meses da campanha presidencial nos Estados Unidos, as 20 histórias falsas mais populares renderam 8,711 milhões de interações, enquanto os 20 fatos reais registraram 7,367 milhões de reações.


Para combater o fortalecimento desse cenário, diversas instituições de checagem de fatos têm se dedicado à tarefa de conferir as informações veiculadas na internet.


No Brasil, o Aos Fatos é a plataforma mais conhecida.