PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Tudo certo, nada confirmado!

01:30 | 01/07/2017

Decisão do campeonato da liga esportiva regional. Pra variar, as equipes do Burrinha Sporting e do Muricizal Clube de novo em campo. Como sói ocorrer há 10 anos, a mesmíssima parelha em disputa. Jogo no campo do Burrinha, com a vibrante torcida local a empurrar sua onzena.

Dia especial, prenúncio de coisa complicada. Partida marcada pra começar meio dia em ponto. Domingo de sol dos mais arrombativos da história do lugarejo – 46 graus à sombra, estando o sujeito no ar condicionado no volume 16 e o ventilador ligado no 1. O açude mais perto, a duas léguas. Bodega pruma garapa? Nem pensar! Pote com água ou cacimbão? Negatofe! Mangueira, cajueiro, um pezinho de sabiá ao perto... fresque não!

E se a partida não começasse naquele exato instante, a mão de faca jurada pela torcida organizada ia comer de esmola. Juiz inicia a peleja. Cinco minutos de pelada e o atleta de melhor disposição física (Larry Boca de Surrão, centreraufe do Burrinha) exibe meio palmo de língua. Contei nove elementos estatelados no chão, contorcendo-se de dor de veado, entre a gente nativa e o povo do Muricizal.

Eis que a voz gasguita de sempre irrompe do olho da carnaubeira gigante ali perto, anunciando em tom assaz ameaçador:

- Parada técna, seu juiz! Parada técna!

Árbitro levanta a cabeça e enxerga o dono da voz – o presidente do Burrinha, homem dos mais valentes. Árbitro ordena:

- Desce daí, Fenícius (Fenícius de Moraes, o capo do time)! Que porra é essa de parada técna?

- Pra minha negada num morrer de sede!!! – di-lo com a mão no cabo da peixeira.

- Tem razão, dotô! Tá coberto!

Detalhe: parada técnica somente pros jogadores do Burrinha; os do Muricizal, sem bola em jogo, obrigados a correr atrás dum guaxinim e botar o bicho na gaiola. Time da casa gentilmente levado à carrocinha do vendedor de pastéis, tapioca, cuscuz, inhame, ovo estrelado, panelada, paçoca e refresco, na beira do gramado.

- Empurrem o pau a comer! É por conta! – ordena Fenícius.

Moçada de bucho cheio, agora tem rodada de cana com Cinzano e passarinha assada. Burrinha volta a campo por volta das cinco da tarde, sem um único jogador do time adversário num raio de cinco quilômetros dali.

Na súmula, o estrondoso placar: 26 a 0. Burrinha, campeão invicto da temporada.

Dinheiro pouco eu tenho muito

Zeca de Onofre pega o celular da neta Iedinha e olha, olha, olha. Ouve a menina falar maravilhas, admira-se do preço, invoca-se com os mil e um recursos. Espanta-se particularmente com o dispositivo que rastreia o aparelho em caso de perda ou roubo. Indagado do rompante tecnológico, responde saudoso:

 

- Ah, um bicho desses no dia em que me ariei no centro de Caucaia!

Como desarmar raparigueiro

Angélica de Firmino convenceu o marido Coriolano a não sair de casa naquele sábado à noite, dizendo ele que ia ver o Ferrim jogar no PV - ia era raparigar! O que fez? Passou nas ventas dele a rede branca limpinha e cheirosa e o lençol verde e perfumado com a foto da Juliana Paes, propondo assim:

- Te astreve, bebê?!?