PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

O Estado falhou duas vezes

01:30 | 21/04/2017

A inteligência da segurança pública do Ceará falhou, mas não apenas ela. A Polícia foi surpreendida pela inacreditável série de atentados da quarta-feira. Não foi possível antecipar-se para evitar que ocorressem. Quando estavam em curso, tampouco se conseguiu interrompê-los. O secretário André Costa foi questionado por isso na coletiva da noite de quarta. “Hoje aconteceu um fato que a gente não conseguiu se antecipar, mas vai dizer que é uma falha? Não é. Não tem como se antecipar a toda e qualquer ação, se fizesse isso, não precisava de Polícia na rua, a gente estava resolvendo tudo”, justificou. De fato, não dá para a inteligência resolver tudo. Até seria o desejável, mas viável não é. Não se espera algo como o departamento “pré-crime” do filme Minority Report (2002). O que admira é que ação criminosa de tão grande dimensão, de ponta a ponta da Cidade, realizado de forma quase simultânea, não tenha sido detectado antes. É exigir demais cobrar que todo crime seja antecipado. Mas, pode-se cobrar, sim, que tão grande ofensiva criminosa seja detectada antes. Foi a maior onda de ataques simultâneos que Fortaleza já viu. Se nem isso é identificado, o que é?

O secretário nega que tenha havido planejamento e considera difícil dizer que houve coordenação. Bom, não conheço mais do assunto do que ele, delegado da Polícia Federal. Não sei, porém, o quanto ele está sendo sincero e o quanto está sendo cauteloso. Ele afirmou que o mesmo grupo realizou mais de uma ação. Verdade. Porém, a proximidade de tempo deixa claro que muito mais que um grupo agiu. Isso é muito evidente. Imagino que houve planejamento, porque não é possível improvisar a maior onda de ataques da história da Capital.

Não é a primeira vez que, pelo menos em público, as forças de segurança subestimam as organizações criminosas. Isso é sempre muito perigoso. Melhor está preparado para lidar com o crime organizado e se deparar com “pirangueiros” - como dizia o ex-secretário Delci Teixeira - do que esperar enfrentar “pirangueiros” e ter pela frente facções bem estruturadas.

Pode até ter havido grupos que viram que os ataques ocorreram, aproveitaram-se para também cometer atentados. Porém, imaginar que isso ocorreu nos mais de 20 atos criminosos pela Cidade é supor que as células criminosas estão disseminadas por toda parte. Outra hipótese, de um só grupo ter cometido número expressivo de atentados, seria desmoralizante para a Polícia. Os caras incendeiam um ônibus, outros e mais outro sem ser interceptado?

Parece-me bastante claro que houve algum nível de coordenação e o mínimo de planejamento, que não foi detectado. Isso é preocupante. Não é, entretanto, o maior problema. O problema maior é quando está consumada a onda de violência - quando se sabe que há ação orquestrada contra as forças do Estado, contra a população, em última instância - e mesmo assim não se consegue evitar novas ocorrências. Policiamento foi reforçado, viaturas passaram a acompanhar ônibus, mas os ataques persistiram. A estratégia não conseguiu antever para prevenir os atentados nem foi capaz de interromper a série de agressões 24 horas depois de desencadeada.

A inteligência, e mais que isso, falhou.

MAURI MELO
MAURI MELO

SOB O TERROR DA GUERRILHA URBANA

Uma das causas para esse segundo fracasso, para a Polícia não conseguir impedir ataques que eram esperados e previsíveis, está na perigosa forma de violência que foi desencadeada. É uma forma de guerrilha urbana ou de terrorismo puro e simples. Muito difícil de combater se não for com inteligência e antecipação. São grupos sorrateiros em ações fortuitas. Em muitas ações do gênero, as pessoas agem sozinhas. Não foi o caso em Fortaleza, desde quarta-feira. Em situação tão ampla e que envolveu número significativo de pessoas, há maior possibilidade de ação preventiva. Quando as iniciativas são menos audaciosas, a repressão se torna ainda mais complicada. A onda de terror de ontem foi um pouco menos intensa que a de quarta-feira. Espera-se e torce-se para que perca força. Porém, mesmo que não como série de ataques, permanecerá o risco de pequenas ações com objetivo de afrontar o Estado e levar terror à população.

Não é o Ceará: o mundo não sabe como lidar com isso. Paris que o diga.

ÉRICO FIRMO