PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

O Louro

01:30 | 16/02/2017

JOGADOR À FRENTE DO SEU TEMPO

Na década de 1970 a maioria das equipes utilizava o sistema tático 4-3-3. Quatro jogadores fixos na defesa com características defensivas, um volante, um meia armador que ditava o ritmo e outro meia avançado. No ataque, dois pontas e um centroavante de referência. A preparação física engatinhava e a movimentação dos jogadores, quer ofensivamente ou defensivamente, se limitavam aos setores do campo. As partidas eram disputadas num ritmo lento, os atletas não corriam tanto e o desgaste físico era menor.

 

Alguns jogadores estavam à frente do seu tempo. Era o caso do lateral direito Louro, que contrariando o desenho tático da época se projetava num espaço vazio para receber lançamento. Essa movimentação surpreendia os adversários e era a principal jogada ofensiva do Fortaleza. Dotado de grande resistência física, força e velocidade, Louro tinha saúde de cavalo premiado — fazia a extraordinária marca de 3.000m em 12 minutos na pista de areia pesada do Jóquei Clube. Dentro do campo não cansava nunca, num vai e vem constante.

Seu parceiro de diabruras era o ponteiro direito Amilton Rocha, que também fez sucesso no Palmeiras. Alternando as posições, os dois se revezavam também num jogo curto de dribles, gingas de corpo, paradas bruscas, saídas rápidas e alternâncias de direção.

Fui campeão cearense pelo Fortaleza em 1973 jogando com os dois. Antes de a bola chegar tinha duas opções e tinha ideia do que ia fazer. Dois toques. Um para arrumar o corpo e o outro para virar o jogo. O destino do passe decidido em milésimos de segundo. Ou para Amilton, que fugia da ponta para o meio, ou em profundidade para Louro, que passava em alta velocidade no espaço criado pelo deslocamento do companheiro. Quando a bola chegava ao seu pé a torcida se levantava na expectativa de seu cruzamento preciso.

Considerado pela revista Placar como melhor lateral direito do Brasil em 1974, Louro foi um dos precursores do futebol que se joga hoje. Sua figura “voando” pelo lado direito do campo está registrada na memória dos amantes do bom futebol.

SéRGIO REDES