PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Investimentos podem descentralizar saúde

01:30 | 15/07/2017

Os últimos investimentos realizados na área de saúde no Ceará apostam na ideia de descentralizar a oferta de serviços. O Estado tem trabalhado para pulverizar o atendimento e tentar tirar a sobrecarga dos hospitais instalados em Fortaleza. A iniciativa privada tem tentado seguir o mesmo caminho, levando em conta as principais demandas.

O Estado investiu R$ 1 bilhão de 2007 para cá, que resultou em 22 policlínicas e 29 Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), mas ainda há muito a ser feito. Com os cortes nos orçamentos, as preocupações aumentaram; a limitação dos gastos públicos pode gerar um freio na expansão do setor em 2018.

Em compensação, o Ceará está sendo contemplado com investimentos da iniciativa privada nesta área e com um mapeamento das oportunidades através de um levantamento realizado pela Federação das Indústrias (Fiec). Mesmo com as dificuldades atuais no atendimento, a esperança é de construção de uma estrutura nova.

UNIMED CEARÁ 1

PROJETO NO EUSÉBIO

A Unimed Ceará procura terreno no Eusébio para a construção de novo empreendimento, dentro da sua política de expansão. A cooperativa quer ficar perto do polo de saúde que está sendo montado na região.

Ontem, durante o Projeto Raio X, da Rádio O POVO CBN, o presidente da cooperativa, Darival Bringel, destacou a hierarquização do atendimento com a criação de policlínicas e hospitais para facilitar o acesso.

UNIMED CEARÁ 2

CRESCIMENTO DE 1%

A crise afetou bastante os planos de saúde. De 45 milhões de pessoas com planos no Brasil, se perdeu de dois a três milhões de clientes. No Ceará, a Unimed Ceará diz que foi mantido o crescimento de 1%. “Acreditamos na potencialidade do País, por isso os investimentos estão mantidos”, acrescenta.

ROTAS

ATIVIDADES MENOS AFETADAS PELA CRISE

O economista Guilherme Muchale, do Núcleo de Economia da Fiec, explica que a indústria de saúde foi uma das áreas menos afetadas pela crise, e tem mantido crescimento acima da média.

A área de biofármacos é um desses filões. “O setor representa 2% das compras do SUS, mas 50% dos desembolsos, tamanho o valor agregado”. No caso do Ceará, já existem startups trabalhando na área, mas o Ceará e o Brasil precisam se posicionar de forma correta e aproveitar o crescimento dos cursos de graduação e pós-graduação.

ROADSHOW

MODELO NOVO PARA O NORDESTE

O modelo de incentivos fiscais está esgotado e os estados tentam buscar investimentos com argumentos que incluam a infraestrutura em construção. Ontem, o secretário do Desenvolvimento Econômico, César Ribeiro, acompanhado do presidente da Fiec, Beto Studart, e de outras lideranças regionais, realizou o Roadshow Investimento e Desenvolvimento do Nordeste, em Recife. Eis a pauta principal do debate: o modelo de atração de empresas para a região.

Os programas de concessões viraram uma porta de entrada de recursos importantes e uma forma de destravar os projetos, mas é preciso trabalhar de forma diferente. Só esconder o jogo não é o suficiente.

ENCONTRO

MERCADO DE MOTOPEÇAS

Começou ontem o V Encontro de Negócios Assomotos Nordeste, no Centro de Negócios do Sebrae/CE, com palestras, oficinas e apresentação de novos modelos. A Associação de Fabricantes, Prestadores de Serviços, Distribuidores e Revendedores de Peças e Motocicletas do Nordeste (Assomotos) e o Sistema Sincopeças/Assopeças (CE) são os promotores do evento e esperam reunir aproximadamente dois mil visitantes.

SOFTWARE

ANÁLISE DE COMPORTAMENTO

A Febracis lança na próxima quarta-feira, às 19 horas, no Riomar Trade Center, o CIS Assessment. O software trabalha com inteligência comportamental e foi desenvolvido para análise e mapeamento do perfil dos profissionais.

MERCADO

QUEM ESTÁ PREOCUPADO COM A POLÍTICA?

O mercado financeiro fechou a semana comemorando a recuperação de alguns ativos e a aprovação da reforma tributária. As denúncias sobre a compra de votos de deputados para manter o presidente Michel Temer não parecem importar.

Tudo indica que os problemas éticos da política brasileira afetam menos os resultados. Se as grávidas terão algum tipo de proteção no trabalho, isso parece ser considerado um problema menor; se o peso das forças para uma negociação entre trabalhadores e empresas ficará mais descompensado, também não é relevante, embora tudo volte para a economia.

Quando se fala do desenlace entre política e economia, essa é a principal questão. Na visão de alguns, as coisas estão andando, apesar das denúncias de negociatas. Neste caso, o mercado comprova que não está sendo sábio, mas apenas safo. Como disse Machado de Assis: “Ao vencedor, as batatas...”

No homem o poder é pouco e limitado, e o querer, sempre insaciável e sem limite”

Padre Antônio Vieira (1608-1697), missionário português

RÁDIO

O POVO Economia da Rádio O POVO CBN (FM 95.5), a partir das 14 horas, de segunda a sexta.

TV

Você ode assistir ao programa O POVO Economia também através do portal: tv.opovo.com.br/opovoeconomia.

 

NEILA FONTENELE