TURISMO 12/05/2016 - 11h44

Cinco lugares para conhecer Fortaleza

A correria do dia a dia faz com que o fortalezense não conheça a própria cidade muitas vezes. Veja cinco oportunidades de conhecer mais da história e da cultura da Capital
notícia 0 comentários
{'grupo': 'ESPECIAL PARA O POVO', 'id_autor': 19100, 'email': 'lucasbraga@opovo.com.br', 'nome': 'Lucas Braga'}
Lucas Braga lucasbraga@opovo.com.br
TATIANA FORTES
Pôr do Sol, próximo à foz do Rio Ceará

Em 2016, Fortaleza completa 290 ou 412 anos? Há quem defenda a fundação da Cidade em 1604, quando da criação do Forte São Tiago, na Barra do Ceará. Curiosidades como essa são trazidas em passeios histórico-culturais na Capital, verdadeiras oportunidades para o fortalezense vivê-la mais.

O turismólogo e educador Gerson Linhares defende os projetos que reavivam o sentimento de pertencimento da Cidade pelo povo. “É importante para o resgate da identidade cultural, o fortalezense precisa se reconhecer aqui”, afirma Linhares.

Passeios que unem história e lazer são feitas por trenzinho, veleiro, canoa ou mesmo a pé. Veja as opções que listamos:

Trem da história e Caminhada cultural

IGOR DE MELO
Sob a sombra das históricas árvores do Passeio Público

Promovidos pelo Centro Cultural Banco do Nordeste (CCBNB), o Trem da história e a Caminhada cultural, ambos gratuitos, são voltados à educação histórica patrimonial. Este ano, a iniciativa completa dez anos.

Passando por vias do centro histórico da Capital, nos bairros Centro, Jacarecanga, Benfica e Praia de Iracema, o Trem da história faz seu trajeto, com guia turístico, à tarde e contempla pontos como Praça dos Leões, Praça José de Alencar, Passeio Público e Dragão do Mar por um ângulo menos usual. No sábado à tardinha, o passeio tem foco em crianças, com a companhia do Bode Ioiô - bode eleito vereador em meados da década de 1920. Na verdade, um ator fantasiado de bode dá vida ao personagem.

Já a Caminhada cultural pelo Centro tem duração de 3 horas e adentra prédios históricos, como igrejas e museus. Passa por diversas praças e monumentos na densa região histórica. Grupos de idosos ou estudantes de escolas públicas com inscrição prévia têm vagas prioritárias em ambos os passeios.

Serviço
Trem da história: aos sábados (alterna com a Caminhada cultural), das 13h30 às 16h para os adultos e das 16h às 17h para crianças
Caminhada cultural: aos sábados (alterna com o Trem da história), das 13h às 16h
Gratuito
Saem do Centro cultural Banco do Nordeste, na rua Conde d'Eu, 560 - Centro
Info: 85 3237 2687 / 98835 9915 ou pelo site

Passeio de veleiro pela orla marítima
TATIANA FORTES
Orla marítima de Fortaleza

Para ter uma vista privilegiada e conhecer melhor o litoral fortalezense, o passeio no mar é uma boa opção. Três escunas certificadas pela Capitania dos Portos atuam diariamente pela Associação dos Veleiros de Fortaleza. São elas Philosophy, Pérola Negra e Minha Deusa. Somados os 15 minutos opcionais para banho próximo ao Marina Park Hotel, o passeio tem duração de 2 horas. O percurso inicia-se na Praia do Mucuripe, contornando o cais pesqueiro, o píer e o Cais do Porto. Depois, segue até o Hotel Marina Park, volta pela Ponte dos Ingleses e Ponte Metálica até retornar ao Mucuripe. No caminho, é possível ver o navio encalhado Mara Hope (1983).

Serviço
Todos os dias, às 16h. Aos sábados, domingos e feriados também às 10h
R$ 50 por pessoa acima de 10 anos. Crianças de 5 a 10 anos pagam R$ 25. Gratuito para crianças até 4 anos
Info: 85 3263 3566 (Associação dos Veleiros)

Museu do Ceará
DEIVYSON TEIXEIRA
Exposição no Museu do Ceará

O primeiro museu do Estado funciona no Palacete Senador Alencar, sede da Assembléia Provincial do Ceará na época do Brasil-Império. O prédio é por si uma peça museológica, tombada pelo Patrimônio Histórico. O museu abriga uma exposição permanente desde 1998 e exposições temporárias que percorrem vários temas da história do Estado. Seu acervo variado é composto por sete mil itens, desde moedas e medalhas até peças arqueológicas e artefatos indígenas. Há referências ao período escravagista, ao movimento abolicionista e aos movimentos literários, como a “Padaria Espiritual”.

O personagem característico Bode Ioiô, empalhado em 1931 e posteriormente doado ao Museu, faz parte da exposição fixa. Eleito vereador após ser campeão de votos nos anos 1920, o animal é um dos atrativos. Já o Memorial Frei Tito é uma exposição temporária que completa dez anos na instituição. A partir da figura do frade e com peças que a ele pertenceram, promove reflexão sobre o período da Ditadura Militar.

Serviço
Aberto de segunda a sábado (exceto feriados) das 9h às 17h
Entrada gratuita
Rua São Paulo, 51 - Centro
Info: 85 3101 2610

Theatro José de Alencar
TATIANA FORTES
Fachada histórica do Theatro José de Alencar

O Theatro José de Alencar, com 105 anos, tem visitas guiadas de terça-feira a domingo, para fortalezenses e turistas. As visitas são conduzidas por servidores do teatro e passam pelos múltiplos espaços do equipamento. A sala de espetáculo em estilo art nouveau combina vitrais coloridos e estrutura metálica escocesa e é um símbolo cearense.

Tombado pelo Patrimônio Histórico, o teatro conta ainda com outros equipamentos anexos de produção e formação artística, como o Teatro Morro do Ouro, a Sala de Canto Paulo Abel, a Sala de Dança Hugo Bianchi, a Sala de Música Jacques Klein e a Sala de Teatro Nadir Saboia. Abriga ainda a Biblioteca Carlos Câmara, a Galeria Ramos Cotôco, a Orquestra de Câmara Eleazar de Carvalho, e o jardim projetado por Burle Marx, um dos maiores paisagistas do Brasil.


Serviço
Terça à sexta-feira, de hora em hora. Sábados, domingos e feriados, das 14h às 17h. Da entrada principal aos anexos do Theatro, o passeio dura entre 30 e 50 minutos
Rua Liberato Barroso, 525 - Centro
R$ 6 e R$ 3 (meia entrada). Visitação gratuita para grupos de escolas públicas e projetos sociais previamente agendados.
Info: 85 3101 2566

Passeio de barco no Rio Ceará

ANDRÉ SALGADO
Passeio pelo Rio Ceará

Durante o tradicional passeio de 2 horas pelas águas do Rio Ceará, os passageiros desfrutam do encontro entre rio, mar e mangue. Nove barcos estão autorizados pela Capitania dos Portos para o serviço. Por uma extensão de 6 km de rio, é possível conhecer mais do primeiro bairro da Capital, a Barra do Ceará, o qual tem 412 anos.

Presidente da Associação de Proprietários de Barcos da Barra do Ceará, Alberto de Souza, 55, afirma que a prática teve início há 20 anos, após a construção da ponte da Barra do Ceará, que liga a Capital ao Litoral Oeste. Antes disso, já havia o serviço de travessia. Francisco de Assis, o Barão, 71, é canoeiro há mais de 50 anos e conta que 52 canoas faziam o transporte. Só restaram nove pela perda da prática ao longo do tempo. “A manutenção do barco é cara e, se não cuidar, a maresia come. Os mais novos não têm interesse, aí vai se acabando”.

Serviço
Embarcações Marta II (com Francisco de Assis, o Barão) ou Albertus (com Alberto de Sousa), no píer de canoas, próximo ao Cuca Barra
R$ 15 a R$ 20. Preço diferenciado para grupos e escolas
Info: 85 3237 6883 e 98913 0314 (Marta II) / 85 3485 6945 e 98753 3940 (Albertus)

espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:

Vídeos

Teaser da nova revista O POVO Norte play

Teaser da nova revista O POVO Norte

anterior

próxima

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS