Música 11/05/2016 - 15h24

Dia de rock e de bastidores

O Nivea Viva Rock Brasil chega a Fortaleza com muito rock´n´roll e o canal das Revistas O POVO traz informações sobre a turnê e entrevista exclusiva com um dos participantes, o cantor e compositor Nando Reis
notícia 0 comentários
{'grupo': '', 'id_autor': 18779, 'email': 'larissaviega@opovo.com.br', 'nome': 'Larissa Viegas'}
Larissa Viegas larissaviega@opovo.com.br
Divulgação / Felipe Panfili

O canal das Revistas O POVO conversou com exclusividade com Nando Reis sobre música e composições e o cantor revela seu processo criativo.


No próximo domingo, 15, o também compositor estará em Fortaleza para a turnê Nivea Viva Rock Brasil. Na edição deste ano, a superbanda é formada por Paula Toller, Paralamas do Sucesso, Nando Reis e Marjorie Estiano e é comandada por Liminha. No palco, montado na Praia de Iracema, serão interpretados grandes clássicos de ídolos de várias gerações. O show é gratuito e aberto ao público.

Qual é o ambiente que você cria para começar a compor?
Preciso estar sozinho, apenas com meu violão. Aproveito muito as viagens, e trabalho bastante nos quartos de hotel.

Como é o seu processo criativo? O que o inspira?

Tudo pode servir de inspiração. As coisas mais prosaicas. Não há regra. Nem método. De um modo geral faço tudo junto: letra, melodia, harmonia. Uma coisa puxa a outra.

As suas criações são em primeira ou em terceira pessoa?
A grande maioria está na primeira pessoa do singular. Todo mundo é um, é EU, ou o ELE do outro.

Momentos memoráveis, como a saída da banda Titãs, o nascimento dos filhos e o término de relações influenciam na hora de compor?

Estados de espírito extremos em geral necessitam de um desafogo, ou de um tipo de elaboração. A música é sempre um recurso para mim.

 

É possível compor “sob encomenda”, de acordo com pedidos de intérpretes? Como é a escolha de quem irá gravar as suas composições?
Componho bem sob pressão de prazo, ou mesmo por encomenda. Mas não faço paródia ou jingle. Faço sempre pra mim. Se eu não gostar, não serve nem presta pra nada. Os intérpretes é que me procuram.

Skank, Marisa Monte, Cássia Eller, Cidade Negra, Jota Quest... A lista de intérpretes é enorme. Quando você compõe, você já pensa em quem irá gravar a sua criação?
Nunca. Mas trabalho muito com Samuel (Rosa), quando ele está compondo para o Skank.

Qual é a sua relação com músicas digitais, streamings de música?
Tenho uma relação ambivalente. Ela é útil, é ágil, mas pode também ser de baixa qualidade, como o Mp3. Não baixo música, compro discos! CD para ouvir no carro, vinil para ouvir em casa. IPod ou Sony Walkman para ouvir no avião.

Qual música/letra autoral que você mais gosta? E qual parceria foi a mais marcante?

Impossível responder isso. Minhas musicas são como meus filhos: amo todos! Mas estou apaixonado pelas músicas do meu disco novo (o que vou lançar em setembro) Compor para você é... Vital.

espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:

Vídeos

BDSM: Prazer Fora da Caixa - Parte 2 play

BDSM: Prazer Fora da Caixa - Parte 2

anterior

próxima