Mobile RSS

rss
Assine Já
Cargos de liderança 26/05/2013

Mulher ainda ocupa pouco espaço

No Brasil, apenas 5,4% das grandes empresas brasileiras têm mulheres em seus conselhos administrativos
DIVULGAÇÃO
Heloísa Bedicks, presidente do IBGC, é contra a cota para mulheres nos conselhos de administração
Compartilhar

 

Dados do IBGE de 2012 mostram que o público feminino ocupa 45,6% do mercado de trabalho. No entanto, de acordo com pesquisa realizada na América Latina pelo instituto de pesquisas Corporate Women Directors International (CWDI), apenas 5,4% das grandes empresas brasileiras têm mulheres em seus conselhos. A pesquisa mostra que o percentual brasileiro só é maior que o chileno e que ainda é inflado por conselheiras de empresas familiares. Segundo o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), o índice de presença feminina nos conselhos é de 7,7% para as companhias abertas.


Para aumentar a presença feminina nos conselhos de administração de empresas públicas e das sociedades de economia mista, a senadora Maria do Carmo Alves (DEM-SE) enviou proposta ao Senado prevendo cota de 40% de mulheres nos conselhos. O projeto prevê o preenchimento dos cargos de forma gradual: 10% de mulheres até 2016, 20% até 2018, 30% até 2020, e 40% até 2022. A proposta, que já foi aprovada pelo Senado, segue em tramitação na Câmara dos Deputados.


Para a superintendente do IBGC, Heloísa Bedicks, impor uma cota para a presença de mulheres nos conselhos administrativos não é uma ação saudável. “A lei aceleraria o crescimento da porcentagem de mulheres nos conselhos, mas esse deve ser um processo meritocrático, e não imposto”, explica Heloísa. “Eu não gostaria de estar em um conselho onde alguém falasse que eu estava ali porque estava cumprindo uma determinação judicial, e não pela minha competência”.


De acordo com a superintendente, os conselhos administrativos precisam ter diversidade, devendo ser formado por pessoas de diferentes gêneros, idades, formações e áreas de atuação. “A mulher representa hoje 70% das decisões de compra do mercado”, afirma. “Ter uma mulher no conselho agrega valor para a própria empresa”. Outra opção para incrementar a porcentagem de mulheres, segundo Heloísa, é promover encontros entre presidentes de conselhos e altas executivas para que eles possam treiná-las. “Nós oferecemos cursos de capacitação que são exclusivos para mulheres”.


“O preconceito (contra as mulheres) é real”, afirma a superintendente. “Mas temos que mostrar que entendemos tanto quanto os homens ou mais”.

 

Vantagens


Segundo Heloísa, há pesquisas que revelam que a mulher tem menor apetite ao risco do que o homem. “Com a presença de mulheres, os conselhos se tornariam mais equilibrados”, afirma. Outra vantagem que conselhos com presença feminina teriam, de acordo com a superintendente, seria a maior atenção aos detalhes. “A mulher tem uma sensibilidade muito maior que o homem e gosta de ir mais fundo aos detalhes”, explica. “Os homens são mais suscetíveis a ter vergonha de dizer que não sabem algo e podem aprovar determinados assuntos sem ter conhecimentos necessários”.

 

Saiba mais


Cotas para mulheres pelo mundo

Noruega – Tem sistema de cotas desde 2003. Hoje, 40 % dos conselhos já tem participação de mulheres. Na época, a média de presença feminina era de 7%.

França, Bélgica, Holanda, Itália, Islândia: Aprovaram, no ano passado, cotas femininas que variam de 33% a 40%

 

Alemanha – Projeto de lei pretendia instaurar cota de 40% de representação feminina até 2023, mas foi rejeitado pelo Parlamento.

 

Espanha – Lei com cota de 40% foi aprovada em 2007 e as empresas do país têm até 2015 para se adaptarem.

 

45,6

por cento do mercado de trabalho brasileiro é de mulheres

 

5,4

por cento dos conselhos têm mulheres na composição

Yohanna Pinheiro yohanna@opovo.com.br
Compartilhar
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
300
As informações são de responsabilidade do autor:

Mais comentadas

anterior

próxima