Mobile RSS

rss
Assine Já
THE NEW YORK TIMES 30/07/2012

Vivendo da terra, a alguns andares do chão

Angel Franco/The New York Times
Fazendas de telhado na cidade podem capturar milhões de litros de água da chuva. Ben Flanner cuida de suas plantações
Compartilhar

By LISA W. FODERARO

 

Quase uma década após o fechamento da última fazenda familiar na cidade de Nova York, manjericão e repolho estão sendo cultivados no Brooklyn.

 

As novas operações agrícolas estão vendendo caixas de vegetais a moradores inclinados ao estilo de vida orgânico, e quantidades ainda maiores a cadeias de supermercados como o Whole Foods. Essas novas fazendas, porém, vêm surgindo em telhados.

 

“Em termos de agricultura comercial em telhados, Nova York é definitivamente a líder neste momento”, garantiu Joe Nasr, coautor de “Carrot City: Creating Places for Urban Agriculture”.

 

As plantações de telhado têm potencial para capturar milhões de litros de água de chuva e retirá-los do sistema de esgotos, que pode transbordar quando chove. E produzir legumes e verduras dentro da cidade significa menos caminhões nas estradas locais e menos emissões de gás estufa, uma meta da administração do prefeito Michael R. Bloomberg.

 

Horticultores e educadores da comunidade constroem lotes e cultivam alimentos há anos. Mas apenas recentemente eles foram seguidos por empresas buscando o lucro.

 

A Brooklyn Grange pretendia começar com um local no Brooklyn. Dois anos atrás, porém, um telhado de 4 mil metros quadrados ficou disponível no Queens. Os sócios, liderados por Ben Flanner, presidente e principal agricultor, espalharam 540 mil quilos de terra e começaram a plantar. Nesta primavera, a Brooklyn Grange finalmente decolou, abrindo uma segunda fazenda num telhado de 6 mil metros no Brooklyn Navy Yard.

 

Flanner apontou dois benefícios da prática – sol abundante e ausência de pragas. “Existem diversos paralelos com a agricultura comum”, afirmou ele. “Mas o que não temos são cervos, raposas ou roedores.”

 

Um desafio: o vento, que pode chicotear entre prédios e derrubar as mudas mais delicadas. “Usamos muitas estacas e treliças”, explicou ele.

 

Em março, a BrightFarms, que desenvolve estufas próximas a supermercados para encurtar a cadeia de distribuição, anunciou a criação de uma ampla estufa hidropônica num telhado no Brooklyn – que deve gerar 450 toneladas de produtos por ano. Segundo Paul Lightfoot, o presidente, a estufa ocupará até 9.300 metros quadrados – tornando-se a maior operação desse tipo quando for inaugurada, no próximo ano.

 

Em junho, a cidade solicitou propostas para uma fazenda de telhado de 19 mil metros quadrados num prédio do governo – o centro de distribuição de alimentos do Bronx.

 

O Departamento de Planejamento Municipal reformulou recentemente as leis de zoneamento para estimular o desenvolvimento verde. As novas regras isentam estufas em prédios não residenciais de certos limites de altura e área do piso.

 

Amanda M. Burden, a comissária de planejamento, declarou que as mudanças “criam mais locais para a agricultura urbana num ambiente denso e construído”.

Compartilhar
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
300
As informações são de responsabilidade do autor no:

Facebook

Mais comentadas

anterior

próxima

Mobile RSS

rss