Mobile RSS

rss
Assine Já
19/05/2013

Seca sem fim

No sertão que planta não nasce e gado só morre, produtores estão desesperados por conta das dívidas que se acumulam. Dramas provocados pela falta d'água e que O POVO narra nas próximas páginas
{'grupo': 'ESPECIAL PARA O POVO', 'id_autor': 18826, 'email': 'politica@opovo.com.br', 'nome': 'Bruno Pontes'}
Bruno Pontes politica@opovo.com.br
Compartilhar


Para agricultores do semiárido, especialmente os de menor porte, falta de chuva significa solo estéril, gado e frutos mortos, carcaças apodrecendo, queda na produção, pouco dinheiro, dívidas crescentes. Segundo a Federação da Agricultura e Pecuária do Ceará (Faec), de 50 a 60 mil agricultores do Estado estão tendo dívidas executadas pelo Banco do Nordeste. Dirigentes rurais e produtores atestam que a situação é grave. Há relatos de desespero que termina em suicídio. O POVO aborda, nas páginas seguintes, o drama econômico causado pela estiagem. Drama pelo qual passa a família de Antônio Miguel Fernandes, 74 anos, morador de Ibaretama, cuja preocupação com a estiagem e com a dívida crescente junto ao Banco do Nordeste custou-lhe a saúde. Ele teme perder a fazenda Canafístula, a um tempo morada e sustento, e apela à diretoria do Banco do Nordeste e à presidente Dilma Rousseff que façam algo em seu favor. Sucessivas estiagens arruinaram os plantios na fazenda, hoje produzindo apenas 10% do que produzia na época de fartura. Seu Antônio adoeceu de depressão e sofreu um AVC. Não há como pagar a dívida, diz a família, devedora de aproximadamente R$ 290 mil. O BNB, como banco público, não pode simplesmente anistiar as dívidas de seu Antônio e dos milhares de outros agricultores, já que precisa cobrá-las por determinação da lei, prestando contas aos órgãos de controle externo como o Tribunal de Contas da União (TCU). Como explica o banco, é o governo quem tem a prerrogativa de anistiar os endividados. Entre congressistas e produtores, a cobrança ao governo parece ganhar mais força e direção. No último dia 8, cerca de mil agricultores, a maioria dos Inhamuns, exibiram pelas ruas de Tauá carcaças de animais mortos pela seca, reivindicando o perdão das dívidas ruais. No dia anterior, congressistas reunidos em comissão geral decidiram juntar todas propostas relacionadas à seca que tramitam na Câmara dos Deputados.

 

ENTENDA A NOTÍCIA


Por causa da seca prolongada, agricultores não conseguem produzir em quantidade suficiente para quitar suas dívidas com o governo. Dirigentes rurais dizem já ter ouvido relatos de suicídio.

 

Compartilhar
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
300
As informações são de responsabilidade do autor:

Mais comentadas

anterior

próxima