APLICAÇÕES. FUNDOS 02/07/2016

Investir para comprar seu imóvel

notícia 0 comentários
{'grupo': '', 'id_autor': 19040, 'email': ' andresongurgel@opovo.com.br', 'nome': 'Anderson Cid'}
Anderson Cid andresongurgel@opovo.com.br
MATEUS DANTAS
Gilberto Barbosa, economista, afirma que há boas oportunidades de investimento imobiliário

Um imóvel é, em grande parte das vezes, um dos maiores investimentos que uma pessoa faz durante a vida. Pensando nisso, para ajudar nas economias e garantir que se terá a quantia necessária de acordo com o planejado, achar um bom fundo de investimento pode ser de grande ajuda.

 

Esses fundos podem apostar em vários mercados diferentes, inclusive no mesmo da destinação final desses ganhos: o de imóveis. Segundo Rodrigo Costa, presidente da Comissão de Direito Imobiliário da Ordem dos Advogados do Brasil no Ceará (OAB-CE), a grande vantagem desse tipo de investimento é não precisar de grande quantidade de capital, podendo ser investidos volumes como R$ 5 mil ou R$ 10 mil, o que ao mesmo tempo possibilita uma adesão de pessoas com renda menor e reduz o risco das operações.


Gilberto Barbosa, economista, conta que o rendimento costuma ser de 10% ou 10,5%, mas alguns conseguem até mais do que isso. Segundo ele, o momento atual é oportuno para esse tipo de aplicação. “Hoje particularmente é um período onde há boas oportunidades no investimento imobiliário, mas tem que saber procurar”. Ele explica que um fundo, por exemplo, pode ser barato e ter rendimento alto, mas os imóveis não terem perspectiva de valorização.


Um dos grandes diferenciais do fundo imobiliário é que pessoas físicas estão isentas do Imposto de Renda sobre os ganhos com as ações. Nesses casos, o IR só incide sobre o investidor que tiver vendido suas cotas e obtido lucro com isso.


Uma desvantagem é que não se costuma poder sacar o dinheiro conseguido com as operações antes do prazo estipulado. O investidor teria que procurar vender suas cotas no mercado secundário. Além disso, claro, devem ser consideradas as flutuações do mercado imobiliário e a possível desvalorização dos imóveis em questão.


Para Alessandra Benevides, professora do curso de Economia da Universidade Federal do Ceará (UFC), é preciso ter cuidado redobrado na hora de fazer esse tipo de investimento. Ela lembra que foi através desses negócios que estourou a bolha imobiliária da crise mundial de 2008 e que, apesar de isso ter deixado os investidores mais cautelosos, não fez com que o mercado passasse a ser regulado.

 

SAIBA MAIS

COMO INVESTIR EM FUNDOS

Fazer o cadastro em uma corretora, que fará a intermediação e indicará as melhores oportunidade. Bancos geralmente disponibilizam esse serviço por meio de corretoras ligadas a eles.

 

Selecionar o fundo de investimentos: É preciso ter cuidado na hora de decidir por qual fundo optar, uma vez que isso definirá se o investidor terá boa rentabilidade ou não. Recomenda-se conhecer os imóveis negociados e saber o máximo possível sobre eles e o mercado.

 

Compra: Nessa etapa, envia-se a ordem para a corretora, para dar início à sua participação nas operações. Isso geralmente pode ser feito digitalmente, em programas de computador disponibilizados pelas corretoras.


Pagar as taxas: As taxas cobradas pelo serviço ofertado, que podem ser compostas por taxa administrativa e taxa de gestão, costumam variar entre 8% e 15%.


Acompanhar o movimento: Pode ser uma boa ideia fazer algum acompanhamento em cima dos imóveis negociados e o desempenho das ações compradas. Se as operações não estiverem sendo rentáveis, o investidor pode planejar a venda de suas cotas.

undefined

> TAGS: imóveis
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

Jornal de Hoje | Imóveis