ENTREVISTA. DIAGONAL ENGENHARIA 18/06/2016

Diagonal lança campanha de 35 anos

notícia 0 comentários
{'grupo': 'Da Reda\xe7\xe3o O POVO', 'id_autor': 16390, 'email': 'artumira@opovo.com.br', 'nome': 'Artumira Dutra '}
Artumira Dutra artumira@opovo.com.br
TATIANA FORTES
Afrânio Praxedes, João Fiúza e Anderson Almeida: meta da Diagonal é vender R$ 25 mi em dois meses


No ano em que completa 35 anos de mercado, a Diagonal Engenharia lança campanha agressiva para vender R$ 25 milhões e anuncia o lançamento de três novos empreendimento até dezembro.


Com o Revezamento Diagonal, em andamento, o cliente que comprar um apartamento paga uma parcela e a empresa paga a outra. Além disso, terá as vantagens da recompra garantida do imóvel e Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) e Registro do imóvel no cartório gratuitos.


Nesta entrevista, o diretor Comercial da Diagonal, João Ximenes Fiúza, o coordenador Comercial, Anderson Almeida, e o corretor de imóveis, Afrânio Praxedes, falam sobre a campanha, a trajetória da construtora e incorporadora, produtos oferecidos e mercado imobiliário.


O POVO - Qual a expectativa da Diagonal para o atual momento vivido pelo Brasil?

João Ximenes Fiúza - É um momento que nós consideramos um pouco complicado, mas tudo tem seu lado positivo. Nós, graças a Deus, estamos posicionados em regiões de pouca concorrência, regiões bem conceituadas que valorizam mais os empreendimentos. E acredito que, para esse tipo de público, quando a gente tem uma ideia diferente, que se adapta ao momento que estamos passando, tem uma resposta positiva.

 

OP – Como crise político-econômica afeta o mercado imobiliário?

João - Eu vejo o lado positivo das coisas. O cara compra hoje como nunca comprou, com uma condição diferenciada. A gente está muito bem posicionado, as vendas estão boas. É lógico que não estão tão pujantes quanto a dois anos atrás. A gente está mais criativo e os clientes estão gostando das nossas ideias. Acho que o momento é bom.

OP - Qual a marca da Diagonal nesses 35 anos?

João - Completamos 35 anos este ano com muita luta, muito orgulho. É uma empresa familiar fundada pelo meu pai. E a Diagonal se destacou com obras de condomínio fechado, a nossa especialidade eram obras de altíssimo padrão.

OP - Como funciona a campanha Revezamento Diagonal que está em andamento?

João - Essa campanha foi concebida com o intuito de trazer uma novidade para o cliente num momento de incertezas. A Diagonal reveza as parcelas com o cliente. Ele paga primeira e a Diagonal paga a segunda. O cliente só paga de 60 em 60 dias. Começou no dia 2 de junho e prossegue até 2 de julho. Tem também a compra garantida onde, se o cliente comprovar que ficou desempregado por um período maior que seis meses, a gente recompra o apartamento devolvendo 100% dos valores efetivos que ele pagou. Inclusive a comissão do corretor a gente devolve. E o terceiro benefício são as taxas de ITBI e o registro do imóvel no cartório.

 

OP - Qual a expectativa com o Revezamento Diagonal?

João - É vender R$ 25 milhões em dois meses. A gente está dando mais 30 dias para os corretores fecharem as vendas. No total, queremos vender em torno de 80 unidades.

 

OP - Que empreendimentos fazem parte da campanha?

Anderson Almeida - As unidades a venda são dos empreendimentos Vivendas Jóquei Ville, Praça da Luz, Prisma Residencial e VG Sun Cumbuco.

OP - A Diagonal pretende fazer algum lançamento ainda este ano?

João - Vamos lançar três empreendimentos até o final do ano. O Guararapes, que são apartamentos de 330 m2, na rua Miguel Dias, será um condomínio fechado. O segundo será na rua Leonardo Mota com República do Líbano, que também será um condomínio fechado mas ainda não podemos antecipar mais detalhes. O terceiro será uma obra de incorporação na rua Tenente Benévolo com José Lourenço, com apartamentos de luxo de 90 m2.

 

OP - A Diagonal está retomando a construção de condomínios fechados?

João - Nós já temos um condomínio em obras, que é o Vidal Bezerra, e retomamos com força a construção de condomínios fechados com mais esses dois lançamentos, que foi como a construtora começou há 35 anos.

OP - Quando foi que a Diagonal deixou de construir condomínios fechados?

João - Em 2007, quando veio aquele boom imobiliário, acabamos focando nas obras de incorporação, carreira solo. Deixamos o condomínio um pouco de lado para aproveitar o momento para potencializar e lançar muita coisa, um volume maior para atender o mercado. Mas o mercado de luxo nunca caiu. Bem localizado nunca teve problema. No ano passado retomamos com a obra do Vidal Bezerra e este ano com mais força.

OP – Qual o Valor Global de Vendas da Diagonal?

João - Mais de R$ 1,5 bilhão de VGV (Valor Geral de Vendas) foram lançados desde 2007.

OP – Como funciona o modelo de condomínios fechados?

João - A gente chama de condomínio fechado obras a preço de custo. É um empreendimento autofinanciado. Eu fecho um grupo e defino as parcelas que serão pagas todo mês para financiar a obra. É como se os clientes me contratassem para fazer a obra e eles é que vão bancar a obra 100%. Não existe financiamento bancário.

OP - Nos 35 anos de existência da Diagonal quantas obras foram construídas?

Anderson - A Diagonal entregou mais de um milhão de metros quadrados em mais de 100 obras.

OP – O que cliente prioriza na hora da compra?

Afrânio - É o produto, a qualidade do produto e a localização. E os estandes da Diagonal com maquete e decorado ajudam muito o corretor de imóveis a mostrar o produto.

 

undefined

espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

Jornal de Hoje | Imóveis