ENTREVISTA. ÊNIO ARÊA LEÃO 11/06/2016

É hora de comprar imóvel

notícia 0 comentários
{'grupo': 'Da Reda\xe7\xe3o O POVO', 'id_autor': 16390, 'email': 'artumira@opovo.com.br', 'nome': 'Artumira Dutra '}
Artumira Dutra artumira@opovo.com.br
FCO FONTENELE
Ênio Arêa Leão: quando voltarem a lançar, construtoras terão custo maior e repassarão isso ao consumidor


Na avaliação do advogado, mestre em economia e vice-presidente do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças no Ceará (Ibef-CE), Ênio Arêa Leão, a compra de imóveis no atual momento é um bom negócio porque os preços devem a subir em breve. Para ele, o setor só deve voltar a crescer no segundo semestre do próximo ano. Mesmo assim, entende que já cabem alguns lançamentos específicos.


O POVO - Que avaliação o senhor faz da economia brasileira nesse momento?

Ênio Arêa Leão - A economia passa por um momento difícil em que a gente precisa fazer os ajustes, que não são ajustes fáceis. O Brasil, desde a Constituição de 1988 tem um Estado que não cabe dentro da economia. Nosso Estado é caro demais. Então, a gente tem que ajustar isso. É um ajuste que dói, é difícil, mas tem que ser resolvido logo. Ou vai ser resolvido por mal, com descontrole da inflação no futuro. A gente tem essa oportunidade agora e a consciência de todos de que é necessário, inclusive dos políticos.

OP – Muita gente está com medo de investir. É mesmo hora de ficar parado?

Ênio - A gente tem que ter o cuidado de não se deixar levar pela situação do País. Por exemplo, não é porque eu vi uma reportagem dizendo que a população brasileira está toda gorda e sedentária que eu vou achar que eu sou gordo e sedentário. Pode parecer simples, mas a gente vê muitas pessoas que estão numa situação financeira boa, estão bem, mas acham que, porque o País está mal, ele também está mal. O que é importante é que cada um olhe para a sua situação.

OP – Como estão se comportando os preços?

Ênio - A gente deve ver uma queda relevante nos estoques de imóveis. Porque os imóveis continuam sendo vendidos, mesmo sem a velocidade de antes, mas agora não tem lançamentos. Então o mercado não está sendo reposto. Quando isso acontece eu vou ter uma redução da quantidade de imóveis e, por consequência, com baixa oferta os preços tendem a subir. Adicionalmente, os preços devem subir porque quando houver novos lançamentos, eles vão ser feito pelo custo atual que subiu muito.

OP - Os preços do imóveis no momento são atrativos?

Ênio - Ele é mais baixo que o preço de reposição, que é um conceito que a gente usa em economia. Quanto é que custa para fazer um novo apartamento igual àquele que está sendo ofertado. Hoje as construtoras estão vendendo abaixo desse custo porque elas precisam vender o estoque que ainda têm. Mas quando elas forem lançar novos empreendimentos elas vão ter que considerar o preço do que foi produzido.

 

OP - Como o senhor avalia o mercado imobiliário local?

Ênio – O baixo crescimento em relação ao resto do Brasil se dá especialmente porque aqui a gente não tem empresa aberta em bolsa. E essas empresas abertas tinham muito dinheiro no caixa. Elas tinham que lançar muito produtos. Então, como aqui não havia essa disponibilidade, as empresas cresceram de acordo com o mercado e de forma muito mais saudável que em outras praças do País. O estoque daqui é relativamente controlado. Assim que a velocidade de vendas voltar, ele vai ser consumido muito rápido.

OP - Tem alguma estimativa de quando o setor imobiliário volta a crescer?

Ênio - Isso vai depender dessas medidas políticas e econômicas que têm que ser tomadas. Entendemos que elas vão acontecer e a gente deve ver uma recuperação a partir do segundo semestre de 2017.

OP - É quando o Brasil vai voltar a crescer?

Ênio - O Brasil vai voltar a crescer por duas razões. As medidas vão ter sido tomadas, eu espero, e porque o Brasil já vai ter caído tanto que recuperar não é tão difícil. Por exemplo, um setor como de automóveis que está produzindo com 50% da capacidade dele. Para ele crescer, não tem que fazer uma fábrica nova basta voltar a produzir dentro da capacidade que já existe.

 

OP – Há oportunidade na crise?

Ênio - Na verdade, na crise é que aparecem as oportunidades. E existem ótimas oportunidades, principalmente para o investidor de médio e longo prazo. Porque ele vai comprar o imóvel dele barato, o imóvel vai valorizar ao longo do tempo, quando a economia melhorar, que com certeza vai melhorar, vai haver uma demanda muito grande pelo imóvel que ele adquiriu. Quem pode e quer comprar um imóvel para usar não deve deixar de fazer isso. Aquele que está procurando opções de investimento, sem dúvida, o imóvel hoje é uma das melhores opções. Por toda segurança que ele dá e a perspectiva de valorização no médio e longo prazo.

OP - Ainda existe muita burocracia no registro de imóveis. O que deveria mudar?

Ênio - No Brasil, a gente ainda tem uma série de ranços antigos de burocracia. O cartório é um deles. Hoje fazer uma transferência de um imóvel, contratar um financiamento imobiliário é muito demorado pela burocracia, especialmente pela lei cartorária. A vontade de todos os consultores e dos bancos para dinamizar esse mercado era que a gente conseguisse aproximar o mercado imobiliário do mercado de veículos. Quando eu compro um veículo, a velocidade que eu tenho para transferir um dia. Mas eu não consigo transferir um imóvel em menos de 30 dias. Não faz sentido nenhum.

OP - Esse já é o momento das construtoras fazerem novos lançamentos?

Ênio - Para produtos específicos, sim. Porque já existem produtos que têm demanda. A dificuldade, hoje, de lançar é que vai ter que fazer num preço bem mais alto do que o que está sendo ofertado no mercado hoje. A gente ainda não tem certeza se o mercado está disposto a pagar.

 

undefined

> TAGS: imóvel
espaço do leitor
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro a comentar esta notícia.
0
Comentários
500
As informações são de responsabilidade do autor:
  • Em Breve

    Ofertas incríveis para você

    Aguarde

ACOMPANHE O POVO NAS REDES SOCIAIS

Jornal de Hoje | Imóveis